Renan Marcondes é um artista que pesquisa os desdobramentos de seu próprio corpo em performances e instalações, objetos, desenhos, vídeos e inúmeras outras materializações. Essas explorações do corpo podem partir de sua própria carne ou de corpos alheios. Coreografias e obras teatrais que demandam extensas pesquisas também fazem parte de suas investigações, ora com resultados que envolvem a interação dos espectadores e a colaboração em peças que se constróem com o tempo, ora em formatos mais tradicionais em configurações de palco e público. 

Há um aspecto paradoxal no trabalho de Marcondes – a presença de elementos precisos como a matemática e o desenho técnico, objetos cotidianos e aparatos inanimados contrasta com a organicidade dos assuntos e sujeitos das obras, que acabam misturando a razão, o pensamento cartesiano e a lógica com a fisiologia e as habilidades motoras do corpo. “Exercícios para Retornar”, por exemplo, são desenhos feitos por uma das mãos do artista, enquanto a outra mão apaga sucessivamente. Já em “Estudo contínuo de reprodução”, o artista imprime fluidos corporais e pressiona partes do corpo sobre uma faixa de papel milimetrado para, depois, reproduzir em desenho, em outra faixa de papel, essas marcas e registros, exibindo ambas as faixas lado a lado.

Há também trabalhos em que o artista explora os limites corporais, criando dispositivos que podem ser “vestidos” ou portados – por ele ou pelo espectador – e que alteram os funcionamentos e funcionalidades dos membros. Esses objetos quase-esculturais são frequentemente criados para uso em conjunto com um ou mais parceiros, desafiando não apenas a gestualidade de um corpo mas obstruindo a proximidade, a intimidade e as possibilidades de encontro.

Compartilhar