O ano de 2018 foi marcado por diversas mostras institucionais, em espaços independentes e galerias. Foi um ano de Bienal de São Paulo, de recorde na SP Arte, de mercado internacional aquecido, mas também de desastres como o incêndio no Museu Nacional (Rio de Janeiro) e de ameaças à cultura do país.

Neste cenário complexo, o ARTEQUEACONTECE analisou as principais exposições deste último ano e selecionou as 10 melhores individuais e 10 melhores coletivas, em São Paulo e no Rio de Janeiro, em uma retrospectiva imperdível! Afinal, é preciso preservar a memória artística e celebrar as boas iniciativas no campo da cultura.

 

Individuais

10. Elvis Almeida (Paço Imperial)

9. Carlos Garaicoa: Ser Urbano (Espaço Cultural Porto Seguro)

8. Jac Leirner: Adição (Galeria Fortes D’Aloia & Gabriel)

7. Laura Lima: Alfaiataria (Pinacoteca do Estado de São Paulo)

6. Tunga: O Rigor da Distração (MAR)

5. Pedro Moraleida: Canção do Sangue Fervente (Instituto Tomie Ohtake)

4. Claudia Andujar – A luta Yanomami (Instituto Moreira Salles)

3. Anna Bella Geiger: Qualquer direção fora do centro (EAV Parque Lage)

2. Rosana Paulino: A Costura da Memória (Pinacoteca do Estado de São Paulo)

1. Hilma Af Klimt: Mundos Possíveis (Pinacoteca do Estado de São Paulo)

 

Coletivas 

10. AI-5 50 Anos – ainda não terminou de acabar (Instituto Tomie Ohtake)

9. Vkhutemas: O futuro em construção (1918 – 2018) (Sesc Pompeia)

8. ARTE DEMOCRACIA UTOPIA – Quem não luta tá morto (MAR)

7. Arte-veículo (Sesc Pompeia)

6. Invenção de Origem (Estação Pinacoteca)

5. Anna Bella & Lygia & Mira & Wanda (MAC Niterói)

4. Histórias Afro-Atlânticas (MASP e Instituto Tomie Ohtake)

3. rejuvenesça! (Casa do Povo)

2. imannam (Pivô)

1. Mulheres Radicais: Arte Latino-Americana, 1960-1985

Compartilhar