“Au diapason du monde” (ou “In tune with the world”) é uma grande mostra articulada a partir de obras escolhidas da Coleção da Fondation Louis Vuitton, em Paris. Desde 2014, quando o espaço da fundação (projetado por Frank Ghery) foi inaugurado em Paris, a instituição tem organizado diferentes mostras com recortes inovadores do acervo. “Au diapason do monde” revela uma nova seleção de artistas que trabalham em diferentes suportes, e reúne obras modernas e contemporâneas que, em sua maioria, nunca foram mostradas no espaço.

O projeto consiste em uma exposição sobre um tema específico, refletindo as questões atuais sobre o lugar que o homem ocupa no universo e os laços que o prendem ao seu entorno e ao mundo vivo, enfatizando as inter-conexões entre humanos, animais, plantas e mesmo objetos inanimados. O itinerário da mostra se organiza em torno de três sub-temas, cada um ocupando um andar expositivo: “Irradiances” (Irradiações, 1o andar); “Là, infiniment…” (Aqui, infinitamente…, térreo); “L’Homme qui chavire” (O homem que naufraga, piso da piscina).

“Irradiances”, refere-se aos feixes luminosos da obra de Dan Flavin, e agrega obras de variados suportes: pinturas, esculturas, vídeos e instalações. Cada trabalho lida com o diálogo contínuo entre homem e natureza, explorando como diferentes materiais e suas metamorfoses podem criar uma paisagem cósmica. Outros artistas na seção incluem Sigmar Polke, Matthew Barney, Pierre Huyghe, Yves Klein, Mark Bradford e Christian Boltanski. “Here, infinitely …” traz obras de Cyprien Gaillard, Wilhelm Sasnal e Adrián Villar Rojas, que partem de obras icônicas na história da arte para refletir sobre a dominação do homem ao longo da história e sobre seu potencial desaparecimento. Por fim, “The man who capsizes”, localizado no nível da piscina, exibe obras de Giovanni Anselmo, Maurizio Cattelan, Ian Cheng, Andrea Crespo, Alberto Giacometti, Dominique Gonzalez-Foerster, Pierre Huyghe, Yves Klein, Mark Leckey, Henri Matisse, Philippe Parreno, Bunny Rogers e Kiki Smith. A seleção é inspirada pelo corpo em todas as suas formas, das mais tangíveis às mais imaginárias, partindo do trabalho homônimo de Giacometti como mote.

 

Au diapason du monde
Curadoria: Suzanne Pagé, auxiliada por Angéline Scherf, Ludovic Delalande e Claire Staebler
Visitação: até 27/08/18; segunda, quarta e quinta, 11h-19h; sexta, 11h-21h; sábado e domingo, 11h-20h
Fondation Louis Vuitton: 8, Avenue du Mahatma Gandhi, Bois de Boulogne, Paris. Ingressos: €14 (inteira); €10 ou €5 (meia)