Lisboa, a capital europeia mais hyped dos últimos anos, começa gradualmente a se consolidar como um dos grandes centros europeus de arte. O recente foco internacional na cidade atrai colecionadores e artistas estrangeiros que buscam a famosa qualidade de vida e relativos preços baixos da capital Portuguesa. O boom Lisboeta vem criando condições ideais para o estabelecimento de galerias nacionais e internacionais, assim como o desenvolvimento de espaços culturais, projetos institucionais e programas experimentais que têm redefinido o roteiro turístico na cidade.

Selecionamos para vocês um itinerário abrangente, que inclui espaços comerciais e institucionais, emergentes e conceituados, situados na cidade das sete colinas.

Belém: A terceira edição da ARCO Lisboa, organizada pela IFEMA (Feria de Madrid), situada na Coordoaria Nacional, uma antiga fábrica de equipamentos marítimos na zona de Belém, recebeu 11 mil visitantes nos dias 17-20 de Maio 2018. A feira contou com 72 galerias de 14 países, com destaque para o setor Opening, dedicado a galerias jovens e com curadoria de João Laia. Nesta terceira edição, a feira consolidou-se como um must no circuito internacional das artes, e até teve a sua primeira feira satélite, a JustLX. Em Outubro deste ano, chegará a Lisboa uma nova feira também vinda de Madrid, a Drawing Room, dedicada exclusivamente ao desenho, que terá lugar na Sociedade Nacional de Belas-Artes.

Atravessamos a rua até o recém inaugurado MAAT – Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia. O museu é situado em uma antiga central elétrica, uma estrutura imponente de tijolos e cerâmica que já vale a visita por sua arquitetura e pitorescas vistas do rio Tejo. A proposta do museu é promover o diálogo e pensamento crítico entre as três áreas, apresentando exposições nacionais e internacionais de artistas, arquitetos e pensadores contemporâneos. O museu apresenta também obras da Coleção de Arte da Fundação EDP.

O Museu Coleção Berardo, o museu mais visitado de Lisboa, está localizado no Centro Cultural de Belém. Além de reunir obras dos principais movimentos artísticos do século XX, ele oferece uma vista deslumbrante sobre a Torre de Belém e o Mosteiro dos Jerónimos, uma ótima oportunidade para conhecer os monumentos culturais mais importantes da cidade.

Bairro Alto e Princípe Real: A pequena galeria FOCO, localizada na Rua da Alegria no badalado bairro do Príncipe Real, foi inaugurada em 2016 pelo arquiteto Francês Benjamin Gonthier. A galeria foi pensada como um núcleo artístico e interdisciplinar e apresenta projetos singulares, de jovens artesāos, artistas e designers, curados pelo próprio diretor.

Caminhamos para o Bairro Alto, onde está localizada a Galeria Graça Brandão, que durante a semana da ARCO Lisboa destacou-se com a coletiva “Coded Encounters”, com curadoria de Jaime Welsh. Na rua paralela a esta, chegamos ao famoso ZDB. Estabelecida em 1994, a Galeria Zé dos Bois é um centro de arte localizado no coração do Bairro Alto. Com mais de 150 eventos por ano, a programação intensa neste espaço inclui exposições de artes visuais e performances, programas educacionais, palestras, mostras de filme e concertos de música. Vale conferir, seja durante o dia ou à noite.

Madragoa, Estrela e Rato: Nestas três áreas mais residenciais da cidade, encontramos galerias de forte presença no mercado internacional de arte. Em 2016 o Italiano Matteo Consonni e o Português Gonçalo Jesus inauguraram a Galeria Madragoa, cujo nome faz homenagem a esta zona histórica da cidade. Destacam-se os jovens artistas Luís Lázaro Matos, Sara Chang Yan, Renato Leotta e Joanna Piotrowska. Em 2017, a Italiana Monitor abriu a sua filial em Lisboa no bairro do Rato. No momento apresenta a exposição Alfabeto Analfabeto, uma instalação site specific do duo português Mariana Caló e Francisco Queimadela. No bairro da Estrela, está localizada a Galeria Cristina Guerra, que representa artistas renomados como Lucia Laguna, João Gusmão & Paiva, Rosângela Rennó e Julião Sarmento. Enquanto estiver nesta zona, não deixe de visitar a BasÍlica da Estrela, um projeto arquitetônico da Escola de Mafra e um dos marcos da cidade.

Alvalade: Na freguesia de Alvalade, um recente pólo artístico no norte da cidade, encontram-se nomes consagrados como a Galeria Vera Cortês, Quadrado Azul, a espanhola Maisterravalbuena, e Appleton Square – um projeto cultural dedicado a diversas manifestações artísticas e experiências multidisciplinares, entre elas exposições e cursos técnicos e artísticos. Há também novos nomes na região como a Balcony, personalizada pelo seu chão azul, cujo foco é representar, apoiar e internacionalizar uma geração de jovens artistas e a Uma Lulik, dedicada à arte contemporânea da América do Sul ao sul da Ásia, até a África e o Oriente Médio.

Marvila: A freguesia de Marvila, que até poucos anos era considerado um ponto esquecido da cidade, vem rapidamente se transformando em um hub artístico. É aqui onde encontramos os estúdios de artistas, galpões de renomadas e jovens galerias da cena de arte contemporânea Portuguesa. O trajeto se inicia perto do Museu do Azulejo, com o Kunsthalle Lissabon. Liderado por João Mourão e Luis Silva, o Kunsthalle é um espaço de prática reflexiva, crítica e experimental, que questiona a natureza de uma exposição a partir de projetos curatoriais que pretendem testar limites. Seguimos para a Rua da Manutenção, onde está localizada a grande Filomena Soares, estabelecida em 1999, que representa nomes como Daniel Senise, Miguel Rio Branco, Leticia Ramos e o duo Dias&Redweig. Na Rua Capitão Leitão concentram-se as galerias Baginski e Bruno Múrias – a antiga Múrias Centeno, que agora é liderada por Bruno em Lisboa e Nuno na cidade do Porto. A galeria continua a representar os artistas brasileiros Adriano Amaral, Adriano Costa e Marcelo Cidade. A Galeria Francisco Fino juntou-se ao núcleo em 2017, abrindo o seu novo espaço em um antigo armazém de vinho e azeite. Na rua transversal a esta, em outro antigo armazém, está o ateliê de Tomaz Hipólito. O espaço compartilhado abriga, além do ateliê do próprio artista, outros estúdios e um programa de residência para três artistas que apresentam seus novos projetos in situ. Na Rua Fernando Palha está localizado a Underdogs Gallery, o espaço de 388 m2 expõe artistas contemporâneos urbanos. Além da cena de arte, encontram-se outros pontos de interesse em Marvila, como restaurantes, lojas, bares de cerveja artesanal e casas de música.

Graça: Na colina mais alta de Lisboa está situado o histórico e charmoso bairro da Graça. É aqui onde visitamos o HANGAR, um centro de investigação artística que inclui exposições, residências artísticas e curatoriais e estúdios para artistas.

Além da Ponte: Aguardamos setembro de 2018 para conheceremos a PADA, uma organização sem fins lucrativos, liderada por artistas, que abrirá as suas portas na cidade de Barreiro, no distrito de Setúbal. Cruzando a ponte 25 de Abril e a beira do Tejo, o espaço com vista para Lisboa abrigará uma residência, estúdios e acomodações para artistas internacionais ou Lisboetas.

Outros lugares: Aos visitantes de primeira viagem, não deixem de conhecer uma das mais tradicionais instituições da cidade, a Fundação Calouste Gulbenkian apresenta em seu acervo mais de 6 mil peças desde os anos 2600 AC até o século XX. Criada em 2008, a Fundação Caixa Geral de Depósitos – Culturgest se denomina como uma casa do mundo. Atividades culturais incluem exposições de arte contemporânea, concertos de música, cinema e teatro e uma coleção com mais de 1700 obras de artistas do mundo lusófono.

 

Para não se perder!

ARCOLisboa – Coordoaria Nacional – Endereço: Av. da Índia, 1300-598, Lisboa; terça a domingo, 10h-18h. (consultar calendário de 2019 para os dias e horários da quarta edição da feira)

MAAT – Endereço: Av. Brasília, 1300-598, Lisboa; segunda a domingo, 11h-19h. Entrada €5 MAAT, €9 entrada Central + MAAT.

Museu Coleção Berardo – Endereço: Praça do Império , 1449-003, Lisboa; segunda a domingo, 10h-19h. Entrada €5. Entrada gratuita nos sábados.

FOCO – Endereço: Rua da Alegria 34, 1250-007, Lisboa; segunda a sábado, 14h-20h. Entrada gratuita.

Graça Brandão – Endereço: Rua dos Caetanos, 26 A, 1200-079, Lisboa; terça a sábado, 11h-19h. Entrada gratuita.

Galeria Zé dos Bois – Endereço: Rua da Barroca 59, 1200-049, Lisboa; segunda e terça, 22h-02h, quarta a sábado 18h-02h. Entrada a consultar, dependente do evento.

Madragoa – Endereço: Rua Machadinho 45, 1200-705, Lisboa; terça a sábado, 11h-19h. Entrada gratuita.

Monitor – Endereço: Rua Dom João V 17A, 1250-089 Lisboa; terça a sábado, 14h-17h. Entrada gratuita.

Cristina Guerra – Endereço: Rua Santo António à Estrela 33, 1350-290, Lisboa; terça a sexta, 12h-20h, sábado, 15h-20h. Entrada gratuita.

Galeria Vera Cortês – Endereço: Rua João Saraiva 16, 1º, 1700-250, Lisboa; terça a sexta, 14h-19h; sábado, 10h-13h, 14h-19h. Entrada gratuita.

Quadrado Azul – Endereço: Rua Reinaldo Ferreira 20, 1700-111, Lisboa; segunda a sábado, 15h–19h30. Entrada gratuita.

Maisterravalbuena – Endereço: Rua Reinaldo Ferreira 40, 1700-111, Lisboa; terça a sábado, 14h-19h. Entrada gratuita.

Appleton Square – Endereço: Rua Acácio de Paiva, 27, R/C, 1700-004, Lisboa; terça a sábado, 14h-19h. Entrada gratuita.

Uma Lulik – Rua do Centro Cultural 15 porta 2, 1700-106, Lisboa; quarta a sábado, 14h-20h. Entrada gratuita.

Kunstahalle Lissabon – Endereço: Rua José Sobral Cid 9E, 1900-237, Lisboa; quinta a sábado, 15h-19h. Consultar dias das exposições em cartaz.

Filomena Soares – Endereço: Rua da Manutenção 80, 1900-193, Lisboa; terça a sábado, 10h-19h. Entrada gratuita.

Galeria Baginski – Endereço: Rua Capitão Leitão 51-53, 1950-052, Lisboa; terça a sexta, 14h-17h; sábado, 14h-20h. Entrada gratuita.

Bruno Murias – Endereço: Rua Capitão Leitão 16, 1950-051 Lisboa; terça a sábado, 14h-19h. Entrada gratuita.

Galeria Francisco Fino – Endereço: Rua Capitão Leitão 76, 1950-052 Lisboa; terça a sexta, 12h-19h; sábado 15h-20h. Entrada gratuita.

Ateliê Tomaz Hipolito – Endereço: Rua Afonso Annes Penedo 50, 1950-014, Lisboa; horários a consultar.

Underdogs Gallery – Endereço: Rua Fernando Palha 56, 1950-132, Lisboa; terça a sábado, 14h-20h. Entrada gratuita.

HANGAR – Endereço: Rua Damasceno Monteiro, 12, 1170-112, Lisboa; quarta a sábado, 15h-19h. Entrada gratuita.

Fundação Calouste Gulbenkian – Endereço: Av. de Berna, 45 A, 1067 – 001, Lisboa; segunda a sexta, 9h-13h e das 14h30-17h30 

Culturgest – Endereço: Rua Arco do Cego 77, 1000-020, Lisboa; terça a sexta, 11h-19h; segunda, sábado, domingo e feriados, 14h-19h. Consultar valor dos ingressos online.

Compartilhar