A Pinacoteca de São Paulo apresenta a exposição Grada Kilomba: Desobediências Poéticas, primeira exposição individual no Brasil da artista portuguesa. Com curadoria de Jochen Volz e Valéria Piccoli, diretor geral e curadora-chefe do museu, respectivamente, a mostra apresenta quatro trabalhos que ocupam as quatro salas contíguas à exposição do acervo da produção artística brasileira do século XIX da Pinacoteca. De forte tom político e comprometido com as perspectivas das narrativas pós-coloniais, o conjunto propõe uma espécie de restituição do lugar das vozes daqueles que foram silenciados ao longo da história.

Conhecida por sua escrita subversiva e pelo uso não convencional de práticas artísticas, Kilomba cria intencionalmente um espaço híbrido entre as linguagens acadêmica e artística, dando corpo, voz e imagem a seus próprios textos por meio de leitura cênica, performance, instalação e vídeo. Fortemente influenciada pelo trabalho de Frantz Fanon (1925-1961), psiquiatra e filósofo francês da Martinica, começou a escrever e publicar sobre memória, trauma, psicanálise, feminismo negro e colonialismo, estendendo sua pesquisa à performance, encenação, coreografia e visualização das narrativas pós-coloniais. “Quem fala? Quem pode falar? Falar sobre o quê? E o que acontece quando falamos?” são questões permanentes em seus trabalhos, nos quais a artista cria imagens singulares para desmontar os conceitos de conhecimento, poder e violência.

A artista conversa com a escritora, pesquisadora e ativista brasileira Djamila Ribeiro, que assina um dos textos do catálogo da exposição, no dia 6 de julho de 2019, sábado, às 15h, no Auditório da Pinacoteca – Luz.

Grada Kilomba: Desobediências Poéticas
Curadoria:
Jochen Volz e Valéria Piccoli
Abertura:
 06/07/19, 11h
Visitação: até 30/09/19; quarta a segunda, 10h-17h30 (permanência até 18h)
Pina_Luz: Praça da Luz 2, São Paulo. Ingressos: R$10,00.

Compartilhar