O ARTEQUEACONTECE organizou um roteiro especial pela Cidade Luz, por ocasião da FIAC que acontece em Paris entre 17 e 21/10. A cidade está repleta de exposições imperdíveis que valem a visita, então nós selecionamos as dez melhores atrações para quem quiser aproveitar essa semana cheia de exposições e mostras!

 

1. Palais de Tokyo

O Palais de Tokyo é um centro cultural dedicado à arte contemporânea que recebe hoje mais de 200 mil visitantes todos os anos. A instituição convidou o artista Tomás Saraceno a ocupar os espaços expositivos da instituição para a quarta edição do projeto “Carte Blanche” (Carta Branca), realizada durante a FIAC. Intitulada “On Air”, esta é a maior versão do projeto até hoje, reunindo uma seleção de suas maiores obras com ambiciosos novos trabalhos que transformam o Palais de Tokyo em uma experiência sensorial única. A mostra pode ser visitada todos os dias do meio dia à meia noite, exceto às terças feiras

 

2. Fondation Cartier pour l’art contemporain

Desde que foi transferida para Paris em 1994, a Fondation Cartier vem sendo um espaço dedicado a exposições, conferências e produções artísticas da maior qualidade e ousadia.  Este outubro a fundação apresenta a exposição “Southern Geometries, from Mexico to Patagonia”, celebrando a riqueza da cor e da diversidade de estilos na arte geométrica da América Latina, reunindo 250 obras de mais de 70 artistas, desde o período pré-Colombiano até o presente. A mostra inclui obras de artistas brasileiros como Luiz Zerbini, arte moderna abstrata, esculturas e arquitetura, assim como cerâmica, tapeçaria e pintura corporal.

 

3. Fondation Louis Vuitton

Fondation Louis Vuitton, em seu imponente prédio com arquitetura de Frank Ghery, apresenta duas grandes mostras: a primeira grande retrospectiva de Egon Schiele em Paris em 25 anos, e uma incrível exposição de Jean-Michel Basquiat. A exposição de Schiele inclui obras maiores do artista, como “Self-Portrait with a Chinese Lantern” (Autorretrato com Lanterna Chinesa, 1912), “Pregnant Woman and Death” (Mulher grávida e a Morte, 1911) e “Portrait of the Artist’s Wife Seated, Holding Her Right Leg”. Já a de Basquiat cobre toda a carreira do artista, entre 1980 e 1988, quando ele partiu prematuramente, aos 27 anos. São 120 obras centrais na produção de Basquiat, espalhadas por quatro andares da instituição.

 

4. Le CENTQUATRE-PARIS #104

Le CENTQUATRE-PARIS apresenta três mostras durante a semana da FIAC. A primeira delas, Métaphoria III, a terceira de uma série de exposições na Europa que consideram a arte contemporânea como uma plataforma de pesquisa. Depois, uma mostra de Mathieu Pernot, que em 2015, durante a destruição das ruínas do prédio de la Santé, ele fotografou e colecionou de maneira sistemática os vestígios deixados nas paredes pelos internos ao longo dos anos. Por fim, o espaço traz uma instalação de Raphaël Dallaporta, na qual o artista usa imagens da famosa caverna de Chauvet para criar um ambiente imersivo onde o visitante mergulha na atmosfera desse lugar ancestral.

 

5. Jeu de Paume

São três grandes exposições apresentadas no Jeu de Paume: “Covered in Time and History: The Films of Ana Mendieta” é a primeira mostra em um museu dedicada aos filmes produzidos pela aclamada artista cubana-americana Ana Mendieta (Havana, 1948–Nova York, 1985). Reunindo 20 trabalhos de imagem em movimento e 27 fotografias que se relacionam com esse corpo de filmes, a mostra é a maior apresentação de vídeos da artista já realizada na França. Já “Dorothea Lange: Politiques du visible” traz a produção da fotógrafa durante a Grande Depressão, a Segunda Guerra Mundial e o período do pós-guerra na América. O Jeu de Paume também organiza a mostra do artista uruguaio Alejandro Cesarco, “Apprendre la langue (présent continu I)”.

 

6. La Colonie

La Colonie é um espaço independente criado pelo artistas Kader Attia. Entre 18 e 21 de outubro de 2018, La Colonie recebe, em colaboração com a revista de arte Afrikadaa e a l’African Art Book Fair, a segunda edição do “Salon du livre d’Art des Afriques”, em torno do tema “a publicação como ato de resistência”. O espaço reúne uma grande seleção de editores independentes e de artistas internacionais, garantindo uma diversidade imensa na apresentação das práticas editoriais atuais. O programa também prevê um espaço de debates e trocas em painéis de discussão, um espaço expositivo e uma programação de performances em parceria com a FIAC.

 

7. MAC VAL

O Musée national de l’histoire de l’immigration e o MAC VAL – Musée d’art contemporain du Val-de-Marne estabeleceram uma parceria para apresentar um projeto que questiona a noção de hospitalidade por meio do prisma da criação contemporânea. “Persona grata” é uma exposição organizada em dois espaços com uma rica programação cultural: uma oportunidade para os artistas explorarem todas as dimensões do que constitui ou corrói as noções de hospitalidade e alteridade por meio de suas próprias visões e sensibilidades. O museu também traz uma grande mostra monográfica da artista alemã Melanie Manchot, refletindo sobre seus últimos 20 anos de produção. A exposição amplia o escopo da pesquisa de Manchot, que se apropria do museu com uma cenografia que costura espaços íntimos e compartilhados onde cada obra define seu próprio território.

 

8. Centre Pompidou

O Centre Pompidou apresenta a maior retrospectiva do trabalho do arquiteto japonês Tadao Ando, uma figura central na arquitetura contemporânea e ganhador do prêmio Pritzker. A mostra se organiza em torno de quatro temas principais – a simplicidade do espaço, os desafios urbanos, a gênese do projeto e o diálogo com o passado. O Pompidou também traz uma retrospectiva única da obra de Franz West, examinando o legado do artista austríaco e sua influência nos últimos 50 anos.

 

9. Fondation Calouste Gulbenkian – Délégation en France

A delegação francesa da Fondation Calouste Gulbenkian apresenta a exposição “Rui Chafes et Alberto Giacometti: Gris, vide, cris” (Cinza, vazio, gritos), com dois artistas separados pelo espaço, pelo tempo e pela forma de suas esculturas. Rui Chafes nasceu em 1966, o ano da morte de Alberto Giacometti. Nenhum elemento biográfico ou histórico favorece ou estabelece um diálogo entre os dois. Mas aí está a gênese dessa exposição, promover esse encontro necessário.

 

10. Studio des Acacias

O Studio des Acacias é um renomado centro cultural e estúdio fotográfico onde nomes célebres como Irving Penn, Richard Avedon e Guy Bourdin trabalharam. Por ocasião da feira o estúdio apresenta “You Are My Petrol, My Drive, My Dream, My Exhaust”, da artista francesa Laure Prouvost, artista selecionada para representar a França na próxima Bienal de Veneza, em 2019. A exposição reúne elementos presentes nos últimos projetos de Prouvost, realizados em 2015 e 2016, revelando dois lados da mesma moeda. São dois dípticos de vídeos, uma peça em tapeçaria e relíquias que evocam, de um lado, o rural e a França, e de outro, o urbano e os Estados Unidos.

Compartilhar