A produção de Rodolfo Borbel Pitarello gravita em torno de experimentações pictóricas, seja na pintura a óleo – marca de sua pesquisa atual –, seja em desenhos e garatujas que misturam palavras e padrões, em jogos de poesia concreta, ilustrações rabiscadas e elementos esquemáticos. Esses desenhos por vezes informam as imagens que o artista constróis em telas, que são, por sua vez, composições mais sofisticadas e trabalhosas, evidenciando uma outra relação com o tempo e o embate com a superfície.

Em suas pinturas, Pitarello emprega símbolos que oscilam entre signos cosmológicos, grafias geométricas e traçados arquetípicos. Nas palavras do próprio artista, seu interesse reside na aproximação de “conceitos científicos, religiosos, ritualísticos e místicos”. Pitarello interessa-se, nesse sentido, no encontro dessa simbologia quase ancestral, atávica, e elementos contemporâneos. É curioso, assim, perceber que suas pinturas mais recentes parecem carregar uma duplicidade: os fundos são trabalhados em pinceladas mais expressivas, texturas orgânicas e evocações paisagísticas figurativas; já em uma espécie de primeiro plano, ou de filtro que cobre o fundo, elementos repetidos (geralmente geometrizados ), intervenções ritmadas simétricas e assimétricas e formas orgânicas criam tensões instigantes e contrastes insólitos. Por vezes, essas marcas lembram carimbos ou vestígios de uma imagem que não identificamos mais.

Rodolfo Borbel Pitarello (1985). É artista visual e artista gráfico. É pós-graduado em História da Arte pela FAAP e graduado em artes plásticas pela FASM. Em 2018, publicou o livro “Terras Melancólicas ou Depressão Tropical”, pela Editora Riemma, e realizou sua primeira mostra individual, “Durante a hora 00:00”, na Oficina Cultural Oswald de Andrade. Entre as principais exposições coletivas que participou estão: 2015 – doismileumdoismileonze – Faculdade Fasm; 2013 – Arte na Praça – Ocupação artística – Faculdade Metodista / Campus Rudge Ramos; 2012 – Projeto DOIS TEMPOS: 1 ficção | construção – Curadoria Inês Raphaelian – Galeria Smith 21o Encontro de Artes Plásticas de Atibaia (SP); e 18ª Salão UNAMA de Pequenos Formatos (PA).

Compartilhar