Cássio Vasconcellos representa a potência expressiva da natureza 

Tempo de leitura estimado: 5 minutos

Parece que Cássio Vasconcellos, o primeiro nome do GOL MOSTRA BRASIL e é, agora, representado pela galeria Nara Roesler, estava prevendo a crise mundial o coronavirus que está, de fato, obrigando o mundo inteiro a parar e refletir sobre nossos hábitos de consumo e exagerados; sobre como estamos ocupando o mundo de uma forma complexa e destrutiva; sobre como é preciso voltar atrás, voltar para a natureza e voltar no tempo ( pré revolução industrial) para pensar sobre esvaziar nossas cabeças e almas e repensar tudo de novo. 

Imagem da série Coletivos, de Cássio Vasconcellos

Muito conhecido pela série Coletivos, na qual produz imagens aéreas ( muito antes da febre dos drones) manipuladas expondo padrões, repetições, excessos e aglomerações pessoas e bens de consumo, Cássio Vasconcellos começou, há 5 anos, uma viagem pitoresca pelo Brasil fotografando florestas em todo o país: Parque Estadual da Serra do Mar, Ubatuba, Floresta da Tijuca, Serra dos Órgãos, Parque Nacional do Itatiaia, além de selvas no Paraná , Santa catarina, Espírito Santo, Bahia e Amazonas.  “A floresta é muito difícil de ser retratada. Às vezes é maravilhosa quando você está nela, mas é impossível passar aquela exuberância e contexto para a imagem.  É preciso pesquisar muito para achar a composição rápida e não perder o encantamento. Por isso, precisei ir em muitas florestas para encontrar imagens que tocassem as pessoas de verdade. Hoje vivemos bombardeados de imagens o tempo todo e é muito difícil alguém se comover com uma imagem. Eu não queria fazer apenas uma foto bonita da floresta; queria criar uma estética própria e emocionar o público”, explica o artista.

Imagem da série Díadres e Faunos

Uma série é exatamente o oposto da outra e, de certa forma, complementar: “Coletivos é composta justamente pelo excesso de coisas, como se dá a ocupação humana e tudo o que a gente precisa consumir para essa ocupação do mundo. A foto dos aviões, por exemplo, fala muito sobre a conexão e sobre esse mundo globalizado.  Em Coletivos falo sobre questões humanas de forma mais árida, são vistas do alto e de longe. Quando vou para floresta, o olhar é para dentro e debaixo. Em Viagem pitoresca pelo Brasil quero voltar no tempo, reconhecer a natureza intocada por esse exagero no qual vivemos. É uma forma de me esvaziar um pouco”, explica o artista.

Sua primeira individual como artista galeria abriu este mês na filial do Rio de Janeiro, onde Cássio apresenta pela primeira vez a série Dríades e Faunos. Como uma continuação de Viagem pitoresca pelo Brasil, a nova série traz imagens das florestas brasileiras inspiradas nas gravuras feitas a partir das expedições artísticas e científicas que ocorreram no Brasil na primeira metade do século XIX – em especial uma gravura feita em 1822 pelo Conde Clarac.”Na verdade, ele fez primeiro uma aquarela, entre 1816-1819, e apresentou em Paris. O sucesso foi tão grande que resolveram fazer essa gravura. Esta foi a primeira imagem da floresta brasileira e eu já vi várias outras, mas não consigo achar uma mais bonita que essa. Já tinha visto reproduções, mas quando a vi ao vivo, no Itaú Cultural, simplesmente não conseguir sair da frente dela”, revela o artista que desenvolveu uma técnica especial – alterando a sensibilidade e o intervalo de exposição da câmera – para criar fotografias da floresta que parecem as pinturas de Clarat, Debret, Rugendas, e Martius, entre outros. 

Imagem da série Díadres e Faunos

É interessante notar, aliás, que a fotografia foi inventada oficialmente em 1839, pouquíssimo tempo antes das pinturas dos viajantes que trazem uma impressionante riqueza de detalhes. Todos sabemos que o nascimento “libertou” da fotografia a pintura da representação da realidade e, ao logo dos anos, a própria fotografia passou a se inspirar na pintura, fazendo com que os meios se “esbarrassem” e dialogassem ao longo da história da arte. E aí entra um “jogo” interessantíssimo entre as mídias e estéticas proposto por Vascocellos em Dríades e Faunos: em cada uma das fotografias das florestas ele coloca, digitalmente, a representação fotográfica de seres humanos pintados por William-Adolphe Bouguereau.

Imagem da série Díadres e Faunos

“As pinturas para as fotos são da primeira metade do séc. 19, antes da invenção da fotografia, e as pinturas inseridas nela são da segunda metade do século. Ou seja, quando Bouguereau criou essas pinturas a fotografia já havia sido inventado e isto o influenciou, claro. Por isso, seus quadros são tão minuciosos e realistas que parecem reproduções fotográficas. Assim eu confundo um pouco o espectador, pois o que é foto parece pintura e o que é pintura é tão perfeito que achamos que são fotos”, explica. As mulheres seriam as Dryads ( na mitologia grega, Dríades são divindades que nascem junto a uma árvore, passando a viver nela, ou em seus arredores para protegê-las) e os homens são os Faunos os homens. 

Vasconcellos também brinca com a passagem do tempo: volta ao passado e, em seguida, nos trazem para o presente, voltando novamente para a história e fazendo com que o espectador fique sem muita noção do tempo linear como o conhecemos.  “Eu desenvolvi um processo fotográfico usando uma tecnologia 100% atual, para criar aspectos de uma imagem antiga. 

Além de representar uma intensa conexão com a natureza, a nudez também serve para manter a neutralidade e o suspense em relação ao tempo – roupas fariam com que o público detectasse facilmente o período das pinturas escolhidas. “Sempre gostei de gerar dúvidas em meu trabalho. Tudo é construído, mas é perfeitamente possível de existir”!

Gravura da floresta brasileira pelo Conde Clarac disponível no Itaú Cultural
Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support