33ª Bienal de São Paulo – Afinidades Afetivas

Pavilhão Ciccillo Matarazzo, São Paulo

Tempo de leitura estimado: < 1 minuto

A 33ª Bienal de São Paulo, intitulada “Afinidades Afetivas”, vai privilegiar a experiência individual do espectador na apreciação das obras, em detrimento de um tema que favoreceria uma compreensão pré-estabelecida. O título escolhido pelo curador Gabriel Pérez-Barreiro – apontado pela Fundação Bienal de São Paulo para conceber a mostra – remete ao romance de Johann Wolfgang von Goethe Afinidades eletivas (1809) e à tese “Da natureza afetiva da forma na obra de arte” (1949), de Mário Pedrosa.

O título não tem o intuito de dar direcionamento temático à exposição, mas caracteriza a forma de organizar a exposição a partir de vínculos, afinidades artísticas e culturais entre os artistas envolvidos. Como no texto de Pedrosa, há uma proposta de investigação das formas pelas quais a arte cria um ambiente de relação e comunicação, passando do artista para o objeto e para o observador. Presença, atenção e influência do meio são as premissas que norteiam a curadoria desta edição, numa reação a um mundo de verdades prontas, no qual a fragmentação da informação e a dificuldade de concentração levam à alienação e à passividade.

33ª Bienal de São Paulo – Afinidades afetivas 
Abertura (para convidados): 05 e 06/09
Visitação: até 09/12/18;  terça, quarta, sexta e domingo, 9h-19h; quinta e sábado, 9h-22h
Pavilhão Ciccillo Matarazzo (Parque Ibirapuera): Avenida Pedro Álvares Cabral, acesso pelo portão 3. Entrada gratuita

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support