9 livros para conhecer arte sob a perspectiva feminista

Tempo de leitura estimado: 5 minutos

Talvez você tenha lido o ensaio pioneiro da teoria feminista na arte de Linda Nochlin, que, em 1976, indagava “Por que não existiram grandes artistas mulheres?”, e ficou procurando por outras leituras que lhe ajudassem a avançar no debate e a conhecer estas artistas que não foram reconhecidas em seu tempo. Por isso, viemos tentar te ajudar nessa empreitada e listamos 9 livros que circundam as temáticas de arte e feminismo sob diferentes propostas, desde mais didáticas e conceituais até bem-humoradas.

Mas, não podemos deixar de dizer que o feminismo negro e indígena ainda é pouco abordado na literatura de arte – especialmente em obras em português. E aqui não estamos falando somente de conteúdos com esses recortes em exclusivo, mas sobre a falta de interseccionalidade dentro dos próprios livros que se propõem a reescrever a história da arte, mas acabam por fazer isso sob uma perspectiva bastante colonial. Torcemos pela fomentação e complexidade das temáticas em abordagens e distribuições acessíveis, mas, enquanto isso, vamos desfrutar de grandes trabalhos realizados até aqui:

The Story of Art Without Men

The Story of art

O livro, lançado no mês passado pela editora W. W. Norton & Company, foi escrito por Katy Hessel, historiadora da arte e fundadora da @thegreatwomenartists, que traça um arco histórico desde o Renascimento até a Arte Contemporânea. As mais de 300 obras de arte de artistas mulheres nos apresentam, por exemplo, à Elsa von Freytag-Loringhoven, artista que realmente inventou o “readymade”, e à Sofonisba Anguissola, pintora renascentista admirada por Michelangelo, mas quase completamente apagada do movimento.

Breve História das Artistas Mulheres 

Mas se você está procurando por uma escrita em português, mais concisa – e com um preço um pouco mais em conta – “Breve História das Artistas Mulheres”, da artista e historiadora da arte e escritora Susie Hodge,  pode ser uma alternativa. O livro é organizado como um guia, dividido entre os temas “Movimentos”, “Obras”, “Inovações” e “Temas”, permite uma leitura dinâmica e guiada pelo interesse do leitor. 

Feminismo y Arte Latinoamericano

Escrito pela professora e pesquisadora Andrea Giunta, o livro resgata narrativas essenciais da arte latina dentro do contexto do movimento feminista e do empoderamento de artistas que contribuíram para a emancipação feminina no continente. Perpassando temas como maternidade, assédio, prostituição e corpos “divergentes”, Giunta questiona as relações de poder inscritas nas formas de ver e representar.

Men to Avoid in Art and Life

Mas não é porque o assunto é tenso e complexo, que a gente não possa se divertir com ele ou ter leituras descomplicadas. “Men to Avoid in Art and Life” nasceu quando a autora Nicole Tersigni estava navegando no Twitter e se deparou com um – clássico – caso de um homem explicando para uma mulher uma piada feita por ela mesma. Então Tersigni passou a adicionar falas aos personagens retratados em pinturas clássicas, criando memes que resumem o espírito de mansplaining

Uma africana no Louvre

No livro da historiadora Anne Lafont, um quadro mítico da história da arte francesa,  pintado em 1800 por Marie-Guillemine Benoist, ganha uma análise inédita a partir do resgate da história de sua modelo Madeleine e de uma perspectiva renovada da diáspora africana na época da escravidão. A obra também conta com uma entrevista com a Lafont realizada pela pesquisadora e curadora Amanda Carneiro.

Women Making History

No domingo, 10 de junho de 2018, dezenas de milhares de mulheres vestindo lenços verdes, brancos e violetas saíram às ruas em Belfast, Cardiff, Edimburgo e Londres como parte de “Processions”, uma obra de arte criada em massa para marcar o centenário da autorização do voto feminino no Reino Unido. A marcha também contou com a exibição de 100 obras inéditas, inspiradas nas faixas feitas pelas sufragistas e que traziam fortes declarações em tecido, que agora estão reunidas em forma de livro. 

Posing Modernity: The Black Model from Manet and Matisse to Today

Apresentando mais de 175 ilustrações, a curadora Denise Murrell reflete de forma crítica e revolucionária sobre o papel da “musa negra” no Modernismo europeu. Com foco sobre a “Olympia” de Édouard Manet (1863), Murrell aponta a pintura como um marco entre os retratos modernistas visto que ela representa Laure, uma serviçal negra, como participante ativa na vida cotidiana, e não como um “outro” exótico. A autora também se debruça sobre as histórias de quando Henri Matisse visitou os clubes de jazz do Harlem e mais tarde produziu retratos transformadores de dançarinos negros como ícones da beleza moderna. 

A Little Feminist History of Art

Não sabe por onde começar? Este livro pode ser uma ótima indicação. Ele consiste em introdução curta e concisa a algumas das obras de arte mais importantes do que se entende por movimento artístico feminista. Explorando temas como desigualdade de gênero, sexualidade, vida doméstica, experiências pessoais e o corpo feminino, o livro apresenta cinquenta obras notáveis ​​do final dos anos 1960 até o presente refletem a vida e a experiência das mulheres, bem como o impacto dos ideais feministas na cultura visual. 

Louise Bourgeois e modos feministas de criar

A artista e pesquisadora Gabriela Barzaghi De Laurentiis destaca obras nas quais Louise Bourgeois explora formas corporais fragmentadas, distorcidas e metamorfoseadas, e em que prevalecem temas como a maternidade, o lar, o desejo e a sexualidade. A partir disso, a autora tensiona a identidade Mulher, convenções e noções binárias e antitéticas, que tradicionalmente refletem a hierarquização social moderna. 

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support
pt_BR