A marquise, o MAM e nós no meio

MAM, São Paulo

Após ser restaurada, a “Aranha” (1996), de Louise Bourgeois, está prestes a voltar para a sala de vidro feita para sua exibição há quase vinte anos. Quando presente, ela parece observar a Marquise e sua amplitude de territórios e usos. No extremo do edifício concedido pela Prefeitura de São Paulo para o MAM, essa escultura permite pensar como a vizinhança do museu com o vão livre, onde acontece uma das mais expressivas e espontâneas manifestações culturais, esportivas e políticas da cidade, pode informar e desafiar a identidade do museu.

Enquanto o MAM aguarda a volta da obra de Bourgeois, a mostra “A marquise, o MAM e nós no meio” se inspira em sua metáfora de conexão. Um conjunto de obras do acervo do museu nesta Sala Paulo Figueiredo se articula com uma agenda de  performances, oficinas e  shows na Marquise, dentro da programação do Domingo MAM, realizado pelo Educativo desde 2013. Por meio de uma intervenção artística, que se manifesta também como arquitetura e linguagem gráfica, O Grupo Inteiro criou peças móveis que remontam às diferentes vocações desse espaço. O pavilhão onde o MAM funciona desde 1969 já foi um Museu de Cera (1954) e um Rinque de Patinação (1955). Hoje, tem duas galerias para exposições. Esta sala, em específico, pode ser experimentada, durante o tempo da mostra, também como remanso, palco, pista, arena circular, em suas interfaces com o entorno.

A marquise, o MAM e nós no meio
Curadoria: Ana Maria Maia
Visitação: até 19/08/18; terça a domingo, 10h–18h
Museu de Arte Moderna de São Paulo: Av. Pedro Alvares Cabral, s/nº, Parque Ibirapuera, São Paulo. Ingressos: R$7,00