A poética da etnografia e da resistência na obra de Claudia Andujar

Vinda para o Brasil após ter sua família perseguida na Segunda Guerra Mundial, a fotógrafa teve seu interesse pelos povos indígenas brasileiros incentivado por Darcy Ribeiro

Tempo de leitura estimado: 3 minutos

Quando a fotógrafa Claudia Andujar chegou no Brasil em 1955, passou a trabalhar como fotógrafa, adentrando no universo do fotojornalismo, colaborando para veículos bastante potentes da época, como a famosa revista Realidade e de lá para cá se tornou uma das artistas mais importantes do momento. Poder trabalhar com a imagem foi uma forma que ela encontrou de se comunicar ultrapassando os limites impostos pelas dificuldades do novo idioma. Como ela explicou em conversa no Instituto Moreira Salles em 2015: “Provavelmente uma das razões pelas quais comecei a fotografar foi porque eu não falava português, e a fotografia foi um meio de me comunicar com as pessoas”. Para entender a vinda dela para o Brasil é preciso entender sua origem.

Ela nasceu na Suíça, na cidade de Neuchâtel, e foi criada na região que hoje é conhecida como Transilvânia, em uma cidade chamada Oradea, que fica entre a Romênia e a Hungria. De família paterna judaica, passou a se deslocar continuamente quando a Segunda Guerra Mundial eclodiu em solo europeu. Na primeira vez, em meados de 1944, foi com a mãe para a Suíça. Na sequência, foi para os Estados Unidos para morar com um tio. Só em 1955, voltou a se encontrar com a mãe, quando veio ao Brasil, se estabelecendo de vez em São Paulo.

Durante o tempo que passou com o tio em Nova York, ela já havia desenvolvido certo interesse pela imagem, estudando pintura. Mas a fotografia também chamava muito a sua atenção. Construindo uma carreira muito notável no Brasil no ramo do fotojornalismo, ela foi incentivada pelo célebre antropólogo e sociólogo Darcy Ribeiro a viajar ao Mato Grosso para conhecer os indígenas de etnia Karajás. A viagem com destino para a Ilha do Bananal aconteceu em 1958. Foi ali a primeira vez que Andujar teve contato com a pauta indígena.

Andujar levou as fotografias resultantes desse encontro para as mídias brasileiras e também para veículos internacionais, já que costumava ir com certa frequência aos EUA. Já de primeira, as imagens chamaram a atenção do curador do Museu de Arte Moderna de Nova York (MoMA), Edward Steichen, que adquiriu algumas. Outras foram publicadas em uma reportagem extensa e profunda prestigiosa revista Life, publicação famosa de fotojornalismo que foi encerrada no início dos anos 2000. A partir deste momento, ela passa a se debruçar sobre o trabalho de fotógrafos como W. Eugene Smith, que usava as lentes para captar imagens de espírito mais humanistas.

A partir daquele primeiro contato, ela passou a perceber que queria levar isso para a vida, em uma busca “por raízes, pelo Brasil profundo”. De lá pra cá, produziu trabalhos icônicos, especialmente com seu mergulho de imenso interesse, cuidado e respeito na cultura dos Yanomami, como as séries Marcados, Sonhos e Genocídio do Yanomami: morte do Brasil. Mas antes desses trabalhos que a artista produziu a partir da década de 70, ela realizou uma série na qual retratava famílias de diferentes locais do país. Intitulada Famílias brasileiras, o trabalho de 1962 propunha “uma imersão nas vidas de quatro famílias”, considerando famílias de regiões e de características muito diferentes. Em seguida, faz alguns trabalhos com o povo Xikrin, no Pará. Em paralelo a esses trabalhos autorais, ela começou a trabalhar de forma fixa para a equipe da Realidade, produzindo pautas diversas… Ficou lá por cinco anos, até que em sua última viagem para fotografar para uma reportagem para a revista conheceu os Yanomami.

Nessa sua trajetória, Andujar uniu diversas frentes, sendo elas “abordagem imersão antropológica, experimentação visual e ativismo político”, como pontua bem o curador Thyago Nogueira, responsável pela exposição A Luta Yanomami, que já passou por São Paulo, Rio de Janeiro, Paris, Suíça, Itália, Espanha e agora desembarca em Londres, no Barbican Centre, até o dia 29 de agosto de 2021.

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support