Artista Aposta: Gilson Plano

O historiador, que entendeu a potência das imagens do passado e como repercutem no presente, hoje é artista e trabalha projetando futuros que ele não vivenciará

Tempo de leitura estimado: 3 minutos
gilson plano
Gilson Plano – Foto: Fabio Souza

Gilson Plano explora a concretude e potência das materialidades, mas atua no campo abstrato da utopia. Suas obras surgem da urgência de acreditar em outras realidades e na construção de um futuro diferente. Ele acredita que a arte pode contribuir politicamente produzindo outros imaginários: “Existe uma geração hoje que tem colaborado na construção de outros repertórios em que é possível existir nossos futuros”.

Nascido em Goiânia, Goiás, Plano cresceu já cercado pela prática que veio a se tornar sua poética. Filho de uma costureira e um pedreiro, ele cresceu acompanhando de perto diferentes interesses construtivos e processuais. Parece, então, que as ferragens, as pedras, as linhas e as composições o contaminaram, sendo hoje suas matérias-primas. 

Gilson Plano
Fundação, 2020, Gilson Plano.

Na capital fluminense, onde vive atualmente, o artista concebeu obras que feriram as estruturas arquitetônicas de espaços culturais, numa espécie de fabulação. Em 2020, Gilson perfurou as paredes do Museu de Arte do Rio e instalou nelas 152 pérolas naturais. Dentro da ação poética de “devolver pérolas ao MAR”, o artista fantasia a ideia de que a gema voltará a brilhar sob o sol quando a edificação do museu for derrubada. Intitulada como O sol depois, a obra comissionada para a exposição Casa Carioca foi realizada antes mesmo da abertura, portanto não foi assistida pelo público. À este, restou apenas a instigação de imaginar e acreditar que essas preciosidades estão debaixo das camadas de revestimento do museu.  

Já em O Fantasma que a floresta nos deixa, realizado no ano seguinte, ele planta 45 sementes de favela – muito utilizadas em rituais do candomblé e da umbanda – atravessando o piso da capela do Parque Lage. Considerando que a área do parque faz parte da Floresta da Tijuca, que é fruto do replantio feito por seis escravizados por volta da década de 1860, Gilson concebe a ação imaginando que um dia essas sementes podem germinar e vir a destruir o Parque.

O exercício da arte é seu horizonte: “eu vou continuar produzindo, não necessariamente por uma questão financeira, mas porque isso é vital para que eu continue imaginando.”

Segundo o próprio artista, ele intencionalmente produz, por meio da arte, espaços leves e aéreos: “eu não quero, na minha produção, enunciar só a morte (…) eu quero falar, principalmente, de vida, de uma vida melhor”. Por isso, seus devaneios não o fazem alienado à realidade do presente. Seu universo aurático do encantamento, das macumbas e dos procedimentos é fundamentado na mudança dos estados das coisas, nem que sejam mudanças mentais ou destinadas a um futuro que ele não testemunhará. Ao realizar seus trabalhos em atos quase proféticos, Gilson nos ensina sobre um olhar generoso que pauta adiante de sua individualidade e garante que sua obra se perpetue para além de sua própria existência. 

Mas pode-se dizer que a concepção ocidental separatista de tempo – passado, presente e futuro – não cabe em sua produção. No candomblé, Plano aprendeu sobre o tempo em uma lógica espiralar, portanto o cruzamento das temporalidades em suas obras nos mostra que pensar no futuro e pensar no agora são as mesmas coisas. Da mesma maneira, seus desenhos e projetos, que calculam meticulosamente ações, que às vezes até parecem espontâneas, cruzam as noções de tempo-espaço e as unificam.

Gilson Plano
Plano de Suspensão, 2018, Gilson Plano

O artista que já participou de diversas exposições coletivas e individuais em galerias, possui obra no acervo permanente do MAR, mas ainda não tem representação em galeria. O que a gente espera é que a semente de sua valorização mercadológica não esteja lançada para germinar apenas num futuro que ele não possa testemunhar.

Em tempo: aproveite para conhecer de perto a produção de Gilson Plano na exposição Animal Ferido, de Igor Vidor, na galeria Verve, até o dia 21 de janeiro de 2023.

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support