Artistas, que são indígenas, para ficar de olho

Conheça cinco artistas que fazem parte de diferentes etnias indígenas pelo Brasil

Tempo de leitura estimado: 3 minutos

Jaider Esbell

Jaider Esbell, Pata Ewa’n – O coração do mundo, 2016

Jaider Esbell é artista visual, escritor e produtor cultural. Nasceu em Normandia, em Roraima, onde hoje é a Terra Indígena Raposa – Serra do Sol. Ele faz parte da etnia Makuxi. Ele sempre desenvolveu atividades ligadas à escrita e ao desenho. Seus trabalhos que mais se destacam utilizam a técnica de acrílica sobre tela. Neles, estão presentes temáticas como ancestralidade, memória, política global, o ser local, xamanismo visual e poder, dentre outros.

Arissana Pataxó

arissana pataxó
Arissana Pataxó, Sem título, 2009.

Arissana Pataxó Braz é artista plástica e arte-educadora. Ela trabalha com diferentes técnicas, de pintura a objetos, e também é professora. Natural de Porto Seguro, na Bahia, ela faz parte da comunidade indígena Pataxó. Em sua obra, desenvolve temáticas onde procura levar às pessoas conhecimento sobre a questão indígena no Brasil.

Denilson Baniwa

denilson baniwa “Natureza Morta 2”, 2017,
Denilson Baniwa, Natureza Morta 2, 2017.

Denilson Baniwa é um artista visual nascido na região do Rio Negro, no Amazonas, em terras da etnia Baniwa. Ele é um artista multidisciplinar, trabalhando com diversas técnicas, sendo elas gravuras, pinturas, desenhos, performances, dentre outras. Atualmente, ele vive e trabalha em Niterói, no Rio de Janeiro. Denilson foi o vencedor do prêmio PIPA Online 2019.

Ibã Huni Kuin

Ibã Huni Kuin, Nai Basa Masheri, 2014,

Ibã huni Kuin, ou Isaías Sales, é um artista que trabalha majoritariamente com a técnica de acrílica sobre tela. Nascido em Tarauacá, no Acre, onde vive e trabalha até hoje, ele é um faz parte do povo indígena huni kuin. Ele fundou, em 2013, o Movimento de Artistas Huni Kuin (MAHKU), coletivo de 12 artistas plásticos da etnia. Ibã é um txana, mestre dos cantos na tradição de seu povo.

Edgar Kanaykõ

Edgar Kanaykõ, Derruba o Toco II

O fotógrafo pertence ao povo indígena Xakriabá Estado, de Minas Gerais. Ele é É mestre em Antropologia pela UFMG e tem atuação livre na área de Etnofotografia: “um meio de registrar aspecto da cultura – a vida de um povo”. Ele utiliza a fotografia como ferramenta de luta, revelando ao mundo a realidade sobre os povos indígenas.

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support