Artistas se unem para combater incêndios no Pantanal

Artistas buscam arrecadar R$2 milhões por meio da venda de obras – o fundo será usado para investir em equipamento, formação e manutenção de 14 brigadas voluntárias anti-incêndio pelo período de três anos

João Farkas
João Farkas

Nos últimos anos a crise ambiental no Brasil se agravou drasticamente. Com todos os olhos e esforços voltados para a pandemia do Covid 19, a situação se agravou dramaticamente em várias regiões do país. Enquanto muitos choram pela  Amazônia, cerca de 4 milhões de hectares no Pantanal foram atingidos por queimadas – o que corresponde a 26% do bioma – somente em 2020. 

As consequências da devastação são várias: além da óbvia perda de vegetação nativa, muitos animais morreram ou entraram em disputa por outros territórios, o que provocou um desequilíbrio na biodiversidade da região.Em paralelo, as comunidades da região, que já vivem a crise epidêmica, começaram a sofrer com falta de água, lavoura seca e suas casas ameaçadas pelas chamas. Segundo a SOS Pantanal, se os incêndios não diminuírem, o Pantanal corre sério risco de virar um deserto!

Para tentar minimizar essa tragédia, a  Documenta Pantanal – um projeto movido por um conjunto de ações coordenadas para tornar conhecida a beleza da região e promover o diálogo entre forças produtivas, academia e instituições/organizações na busca de soluções para os problemas locais – se uniu a um grupo de artistas e galerias para criar corrente de solidariedade em prol da preservação do ecossistema pantaneiro. E assim nasceu a campanha “Artistas Pelo Pantanal”, que busca arrecadar R$ 2 milhões por meio de uma 

campanha de captação e vendas de obras de arte.  As 45 obras doadas por 42 artistas visuais podem ser conferidas e adquiridas no site da SP ARTE. Ou pelo email artistaspelopantanal@gmail.com 

Araquém Alcântara
Araquém Alcântara

Os fundos que serão administrados pelo SOS Pantanal e inteiramente destinados ao investimento em equipamento, formação e manutenção de 14  brigadas voluntárias anti-incêndio na região pelo período de três anos. O projeto visa proteger diferentes regiões do Pantanal: Chapada dos Guimarães, Cuiabá, Nossa Senhora do Livramento, Barão de Melgaço, Poconé, Corumbá e Ladário.  “Vamos profissionalizar e equipar essas brigadas por meio de um programa que dará suporte por meio de planejamento e treinamento na prevenção e no combate ao fogo”, declarou Leonardo Gomes, diretor de Relações Institucionais do SOS Pantanal. 

Para que toda essa mobilização permaneça viva na memória das comunidades beneficiadas, será plantado um bocaiuval na Escola Jatobazinho, mantida pelo Acaia Pantanal. Ao longo de todo o ano letivo será realizado um trabalho de educação ambiental com crianças ribeirinhas, que, tendo as obras doadas como fonte de inspiração e referência para releituras e criações, irão desenvolver variadas atividades artísticas.

Os artistas participantes são: Adriana Varejão, Afonso Tostes, Alex Cerveny, Alexandre da Cunha, Ana Maria Tavares, Antônio Malta Campos, Araquém Alcântara, Artur Lescher, Caio Reisewitz, Carlito Carvalhosa, Dalton Paula, Daniel Senise, Di Cavalcanti, Elisa Bracher, Erika Verzutti, Ernesto Neto, Fabrício Lopez, Felipe Cohen, Gerben Mulder, Guga Szabzon, Jac Leirner, João Farkas, José Bento, Laura Lima, Leda Catunda, Luciano Candisani, Luiz Zerbini, Márcia Xavier, MarciusGalan, Maria Klabin, Marina Saleme, Nuno Ramos, Paloma Bosquê, Paulo Bruscky, Paulo Monteiro, Regina Silveira, Rivane Neuenschwander, Rodrigo Andrade, Santídio Pereira, Sérgio Sister, Vik Muniz e Yuli Yamagata.