Bárbara Wagner e Benjamin de Burca apresentam obra inédita na Manifesta

13ª edição da bienal europeia “nômade” tem a participação do duo brasileiro e teve início nesta sexta-feira, em Marselha, na França

Bárbara Wagner & Benjamin de Burca, still de One Hundred Steps, 2020. CRÉDITO: Bárbara Wagner & Benjamin de Burca. Courtesy Fortes D’Aloia & Gabriel, São Paulo/Rio de Janeiro.

A Manifesta, Bienal que abrange vários países da Europa em uma escala pan-regional e de forma itinerante, abriu a sua 13ª edição nesta sexta-feira, 9 de outubro. Sediada este ano na cidade de Marselha, na França, o evento ocupa vários espaços culturais. Neste ano, a Manifesta é palco de estreia do oitavo filme nascido da colaboração entre os artistas Bárbara Wagner & Benjamin de Burca!

Primeira obra em preto e branco da dupla, One Hundred Steps é um filme de 30 minutos que foi rodado na Irlanda e na França e teve foi feito em parceria aproximadamente 20 músicos e dançarinos da Irlanda, França, Tunísia, Marrocos e Argélia. A obra é co-comissionada pela Manifesta 13 e pelo VISUAL Centre for Contemporary Art. Dentro do escopo da realização, o trabalho foi co-finananciado pelo Arts Council of Ireland, Bundesregierung für Kultur und Medien (BKM), Medienboard Berlin Brandenburg, V-A-C Foundation e Ammodo.

Reconhecendo a obra do cineasta irlandês Bob Quinn como um importante documento histórico anticolonialista, tendo sua relevância ainda mais latente nos dias de hoje, a dupla faz referências ao conjunto de trabalhos dele no filme. Tendo ainda mais evidência na década de 1980, os trabalhos de Quinn “se dedicaram a desconstruir o imaginário eurocêntrico hegemônico e a aprofundar o papel que as culturas norte-africanas desempenharam na formação da cultura irlandesa”.

O novo trabalho de Wagner & de Burca, que receberam o Audi Short Film Award na Berlinale de 2019 pelo curta RISE e representaram o Brasil na última Bienal de Veneza com Swinguerra, fica em cartaz no Conservatório Nacional de Marselha até 29 de novembro.

Deixe um comentário