Bergamin Gomide expõe a fase pop de Glauco Rodrigues

O artista critica um Brasil que se quer ver como desbravador e que gosta de se representar na base de conceitos falsos, como tolerância e um suposto pacifismo

Tempo de leitura estimado: 4 minutos
Glauco Rodrigues
Glauco Rodrigues

Vivemos em um momento de crise política, econômica e moral em que torna-se cada vez mais complexo (e triste) ser brasileiro. Ao mesmo tempo, estamos prestes a começar a comemoração do centenário da Semana de Arte Moderna – evento que celebrou, em poucas palavras, uma renovação de linguagem e celebração da cultura brasileira e seus símbolos. Parece pertinente, então, visitar a mostra de Glauco Rodrigues que questiona, com muita ironia,  símbolos, imagens e teorias nacionais.

Acontece que somos canibais abre na galeria Bergamin Gomide amanhã, dia 4 de fevereiro, reunindo obras criadas pelo artista gaúcho nos anos 1960. Autodidata, ele fundou, em 1951, o Clube da Gravura de Bagé junto com os colegas Glênio Bianchetti e Danúbio Gonçalves. O grupo, que tinha em comum claras simpatias pelo socialismo, passou a se dedicar à figuração, retratando paisagens da região, num ambiente basicamente rural. Em 1958, parte para o Rio de Janeiro onde associa-se à Senhor, uma publicação onde o amigo Carlos Scliar já colaborava, além de nomes conhecidos no meio carioca, como Clarice Lispector e João Guimarães Rosa, e os então novatos Paulo Francis e Jaguar – essa passagem pelo mundo editorial pode explicar escolhas estéticas de algumas séries como o uso de cores fluorescentes, brilhantes e vibrantes – empregadas até então quase que exclusivamente na publicidade, nas capas de revistas, nos cartazes de rua – e no uso de recortes de revistas e cartões postais para suas ácidas composições. 

Glauco Rodrigues
Glauco Rodrigues

Depois de uma temporada na França, ele volta e participa da exposição Opinião 66, realizada no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, junto com artistas como Anna Maria Maiolino, Hélio Oiticica, Ivan Serpa e Lygia Clark. Desiludido após o Golpe de 1964, resolve contar a sua história visual do Brasil. Datam dessa época as telas do artista presente na exposição,  com claramente em diálogo com a turma da Nova Figuração Brasileira – pense em Rubens Gerchman, Antonio Dias, Roberto Magalhães, Carlos Vergara, Carlos Zílio, além dos integrantes do Grupo Rex. Trata-se de uma  “estética avessa ao que considerava ser o “hermetismo da arte moderna” ‘ , ressalta Lilia Schwarcz no texto feito para a exposição.  O pintor passa a rever, então, obras brasileiras clássicas, temas ligados à identidade nacional – os indígenas, a natureza tropical, o futebol, o carnaval –, bem como assuntos vinculados à história nacional. A versão do artista da Primeira Missa no Brasil, de Victor Meirelles, por exemplo, ganha pessoas anônimas e curiosas, crianças, casais e personalidades políticas – tudo, é claro, em ritmo de samba! Já o Derrubador de Rodrigues aparece com uma postura corporal idêntica à cena original, produzida por Almeida Junior, mas ao invés de se recostar numa rocha, apoia- se num duplo mapa do Brasil. 

Como morava perto da praia, Glauco começou a retratar cenas cotidianas de banhistas, acrescidas da combinação de uma série de elementos simbólicos e inusitados – garotas de biquíni ao lado de militares; atores conhecidos, usando diminutas sungas, contracenando com pessoas anônimas e vestidas de maneira mais convencional; o Pão de Açúcar ladeado por frutas tropicais; a imensa escultura do Cristo Redentor convivendo com frases pop do tipo: “o que contamina o homem não é o que entra na boca, mas o que sai da boca” ou “acontece que somos canibais”! Em Brasilianistas e Antropofágicas,  o artista relê a antropofagia de Tarsila do Amaral e do movimento modernista paulistano para também devorar assuntos simbólicos da história do Brasil – as séries como Terra Brasilis (1970), Carta de Pero Vaz de Caminha (1971), No país do Carnaval (1982), Sete vícios capitais (1985), fazem parte da guinada pop do artista. Atento à eficácia simbólica, Glauco finalizou muitas telas sobre o Pão de Açúcar e centenas sobre São Sebastião, com o santo sendo personificado no corpo de artistas nacionais, e sempre cobertos de flechas. “Ao lado do processo antropofágico – e que o leva a traduzir e deglutir o Brasil a partir de pinturas que carregam, ao mesmo tempo, humor e crítica social –, Glauco impregna em suas obras uma clara carnavalização da cultura brasileira. O indígena, as frutas, o futebol, as passistas de escolas de samba… todos recebem cores tropicais e muitas vezes aparecem acompanhados de frases críticas; tudo num clima e num ritmo de carnaval”, ressalta a antropóloga. “A dissonância e o deslocamento entre as figuras e as circunstâncias apresentadas, o clima de festa, a brincadeira, são elementos que deixam evidente a veia satírica do pintor que, em tempos de ditadura, se negava a compactuar com os mitos e estereótipos criados e difundidos pelos militares”, completa. Um tropicalismo crítico que veio em boa hora. Não perca e vá de máscara!

Glauco Rodrigues
Glauco Rodrigues
Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support