Lorenzo Quinn
Obra de Lorenzo Quinn na última Bienal de Arte de Veneza

Os impactos do coronavírus ainda são nebulosos, mas sem dúvidas o ano de 2020 ficará para a história como o ano em que todos ficaram em casa e todos os eventos foram adiados. O resultado influencia, claro,  no calendário artsy dos próximos anos. Como a Bienal de Arquitetura de Veneza prevista para esse ano será adiada para 2021, a Bienal de Arte de Veneza está programada para 2022. 

As novas datas da Bienal de Arte de Veneza, cuja mostra principal será curada por Cecilia Alemani, são de 23 de abril a 27 de novembro de 2022, o que significa que um dos mais importantes eventos de arte do mundo agora coincidirá com a Documenta 15, outra importante exposição de arte européia.

Obra 'Can't Help Myself' da dupla Sun Yuan & Peng Yu Bring na última Bienal de Arte de Veneza
Obra ‘Can’t Help Myself’ da dupla Sun Yuan & Peng Yu Bring na última Bienal de Arte de Veneza

Roberto Cicutto, presidente da Bienal de Veneza, disse em comunicado: “Os últimos dias esclareceram o estado real da situação que todos estamos enfrentando. Com respeito pelo trabalho realizado por todos nós, os investimentos feitos pelos participantes e considerando as dificuldades que todos os países, instituições, universidades e estúdios de arquitetura enfrentaram, juntamente com a incerteza dos embarques [viagens estão restritas até segunda ordem], decidimos ouvir a maioria que solicitou o adiamento da Bienal. ”

Performance Sun & Sea (Marina) no Pavilhão da Lituânia na última Bienal de Veneza
Performance Sun & Sea (Marina) no Pavilhão da Lituânia na última Bienal de Veneza


A Bienal de Arquitetura de Veneza, curada este ano por Hashim Sarkis, está agora datada de 22 de maio a 22 de novembro de 2021. Com mais de 225.000 casos confirmados e mais de 31.000 mortes de Covid-19, a Itália está entre os países mais afetados pela pandemia. O adiamento de ambas as bienais aponta para a dramaticamente a pandemia. Agora resta saber o que acontecerá no Brasil, visto que já acumulamos mais de 16 mil mortes.

Compartilhar