Bienal de Liverpool segue em exposições pararelas pela cidade inglesa

Programação principal encerrou em junho, mas ainda é possível ver três atividades da bienal inglesa pelos próximos meses; evento explorou noções do corpo, tendo como base formas não ocidentais de pensamento

Tempo de leitura estimado: 2 minutos
Zheng Bo, LIFE IS HARD. WHY DO WE MAKE IT SO EASY?, 2018. FOTO: Abdulromae Taleh

O programa principal da Bienal de Liverpool 2021, que teve como título The Stomach and the Port , foi encerrado no mês de julho. Mas ainda é possível visitar exposições integrantes do evento pessoalmente na FACT e na Bluecoat até agosto e setembro. Além das atividades nesses espaços expositivos, o público ainda poderá ver uma escultura ao ar livre criada por Daniel Steegmann Mangrané, La Pensée Férale (2021), no Crown Street Park.

A bienal explorou noções do corpo, tendo como base formas não ocidentais de pensamento e desafiando a compreensão do indivíduo como uma entidade definida e autossuficiente. Ao todo, foram nove locais de exibição, além de mostras de esculturas ao ar livre, comissões e um programa completamente online. O evento também contou com uma plataforma de realidade virtual, que permitiu que o público tivesse acesso online às exposições.

Voltando ao FACT em 2021, a Bienal de Liverpool apresenta uma mostra com obras de Black Obsidian Sound System (BOSS) – um coletivo criado em 2018 por Kiera Coward-Deyell, Phoebe Collings-James, Evan Ifekoya, Onyeka Igwe, Shenece Liburd, Marcus Macdonald, Nadine Peters, Shamica Ruddock – e Zheng Bo. Essa mostra estará em cartaz até o dia 29 de agosto.

Já na Bluecoat, a exposição que se estende até 5 de setembro exibe pinturas de Jadé Fadojutimi, explorando como nossa identidade está sendo constantemente moldada por nossos ambientes, filmes de Laura Huertas Millán e Daniel Steegmann Mangrané, obras escultóricas de Roland Persson, Kathleen Ryan e André Romão, todos propondo maneiras pelas quais estamos conectados ao mundo além de nossos limites físicos, considerando-nos como natureza, não apenas parte dela.

Daniel Steegman Mangrané, La Pensee Ferale, 2021. FOTO: Rob Battersby

A instalação permanente La Pensée Férale (2021), no Crown Street Park, apresenta uma réplica de um Pau Rei, uma árvore nativa da Mata Atlântica brasileira, incrustado com o olho de um cão pária indiano de Bangladesh e cercado por Fagus Purpurea Pendula recém-plantado árvores. As instalações de Mangrané questionam a posição da humanidade no mundo – erodindo as concepções ocidentais de ser que separam o mundo em dualismos opostos, como natureza e cultura. La Pensée Férale levanta questões sobre a subjetividade como uma construção cultural e também sobre a nossa atitude em relação ao meio ambiente, reforçando que a natureza não é sem percepção ou sentimento.

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support