BienalSur 2021 acontece em 23 países com programação até dezembro

Mostra inaugural em Salta, na Argentina, reúne obras de povos originários; o evento terá 124 sedes de pelo mundo, até no Vaticano

Tempo de leitura estimado: 3 minutos

A Bienal Internacional de Arte Contemporânea do Sul (BIENALSUR) teve sua abertura neste mês de julho e terá suas atividades até dezembro. Organizada pela Universidade Nacional de Três de Febrero (UNTREF), instituição pública de Buenos Aires, ela está em sua terceira edião e neste ano terá mais de 120 sedes em 50 cidades de 23 países, além do Vaticano! Participam desta edição cerca de 400 artistas de várias nacionalidades e com diferentes formações.


No ano passado, a BienalSur abriu um Open Call para que artistas pudessem submeter seus projetos! Foram mais de 5500 inscrições que vieram de 108 países, com participações individuais e também de coletivos! As submissões foram avaliados por um júri internacional de curadores. Para os diretores da bienal, Aníbal Jozami e Diana Wechsler, “é significativo o interesse e as respostas de tantos artistas e instituições em continuar a trabalhar nestes tempos de pandemia numa arte que é social e que atravessa diferentes tipos de fronteiras, com a convicção de que entre os novos cenários que podem surgir para a humanidade o direito à cultura e à diversidade continuará”.


Neste ano, terão atividades da BienalSul, dentre exposições, talks e atividades formativas cidades que já participaram outras vezes, como Paris, Madri, Japão, Berlim, Buenos Aires, e Bogotá! Agora, somam-se lugares como Cuzco, no Peru; Manama no Bahreim; e Jeddah, na Arábia Saudita.

De acordo com Jozami, que também é reitor da UNTREF, “este work in progress que é a BIENALSUR está longe de se impor a culturas, instituições ou grupos e passa pela cartografia singular que desenha a cada edição, procurando ouvir, aprender e trabalhar de forma situada mas sem perder a perspectiva global para se sustentar, ativar e contribuir para restaurar os laços comunitários hoje tão necessários”.

A mostra de inauguração desta edição ocorreu no dia 8 de julho, na cidade argentina de Salta, no Museu de Belas Artes Lola Mora. A exposição La escucha y los vientos. Relatos e
inscripciones del Gran Chaco
reúne trabalhos de mulheres artesãs, ativistas de povos indígenas, artistas e cineastas, sob curadoria da argentina Andrea Fernández e da alemã Inka Gressel. Ainda em julho, foram abertas outras exposições em Bogotá (Colômbia) e em Málaga (Espanha. Também acontece até 7 de agosto uma ação em Tóquio, o projeto TURN Tea Ceremony, do artista e curador japonês Katsuhiko Hibino.

A partir do dia 5 de agosto, a cidade de Curitiba receberá no Museu Oscar Niemeyer a exposição Tramas Vitais, do artista brasileiro Geraldo Zamproni. Com curadoria de Renan Archer, a mostra aponta como suas obras tomam a dianteira na conversa com a percepção e estimulam a imaginação do espectador. Outros artistas brasileiros também participam da Bienal, como Ricardo Villa, que apresentará a obra Terra sem males: Brasileiro#1, que trabalha a ideia de um mito guarani no qual há a ideia de um lugar “onde não haveria fome, guerras ou doenças”.

Para conferir toda a agenda da BienalSur, clique aqui.

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support