Claes Gabriel usa a arte para denunciar a violência racial nas Américas

Em suas telas, o artista aborda a Revolução Haitiana, a crescente crise de migração global e brutalidade policial nos EUA

Tempo de leitura estimado: 3 minutos
The Ouroboros de Claes Gabriel
The Ouroboros

Na obra The Ouroboros o artista haitiano Claes Gabriel  representa um negro de traje listrado (típico de algumas prisões) amarrado a um policial branco. A dupla está emoldurada por um horizonte urbano e chamas vermelhas. A cena te lembra alguma coisa? No meio dos protestos que toma conta dos EUA por causa do assassinato de George Floyd, vale lembrar de algumas histórias diferentes, como a da Revolução Haitiana, onde a supremacia branca não venceu e não conseguiu construir uma sociedade na qual pessoas racistas ditam as regras e, protegidos pelo Estado, cometem crimes indefensáveis. 

Como a única nação nas Américas fundada por ex-escravos que lutaram com sucesso por sua liberdade e derrubaram seus opressores e captores, o Haiti existe como um ponto fora da curva do poder colonial. Os líderes brancos da época pensavam que a Revolução Haitiana tinha tanto potencial para inspirar movimentos semelhantes de auto-emancipação que as nações coloniais tentaram censurar sua própria existência – os EUA, por exemplo, se recusaram a reconhecer a nação haitiana até depois da Guerra Civil. E é essa história inspiradora o ponto de partida para as pesquisas do artista Claes Gabriel.

The Haitian Revolution, de  Claes Gabriel
Haitian Revolution

A pintura Haitian Revolution, por exemplo, é inspirada no livro An Historical Account of the Black Empire of Hayti que continha os primeiros retratos do líder revolucionário haitiano Toussaint L’Ouverture divulgado entre os europeus. O autor e artista da publicação foi Marcus Rainsford, um soldado irlandês do exército britânico que visitou o Haiti no final do século 18. Muito diferente da imagem que temos do resto das Américas, a tela de Gabriel apresenta a derrubada da liderança branca com alegria e naturalidade.

Boat People
Boat People

Boat People tem um título que faz referência ao termo pejorativo, usado para descrever refugiados haitianos e outros requerentes de asilo em todo o mundo. Na cena, o artista coloca vários corpos negros com olhos de diferentes cores. A ideia? Evocar a universalidade da própria imigração – servindo não apenas para conectar o passado e o presente, mas também para lembrar o espectador da profundidade da história por trás de cada cultura.

Gabriel vive na Filadélfia pintou The Ouroboros para falar sobre a violência racial presente desde sempre na História das Américas. No entanto, nela os perseguidos estão em pé de igualdade com o seu perseguidor – como na Revolução Haitiana. O artista coloca os braços dos personagens entrelaçados formando um sinal do infinito, ou um ouroboros, o antigo símbolo de uma serpente comendo o próprio rabo. Eles estão presos em um sistema destrutivo. Ainda assim, o homem negro da pintura sorri para o policial, enquanto o policial branco franze a testa – com seu distintivo orgulhoso, ele não vê o conhecimento secreto do outro de que seu poder não é eterno nem absoluto. 

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support