Coletânea em Mônaco desafia a concepção única e gendrificada do corpo

Hauser & Wirth inaugura coletiva com obras que usam técnicas diversas para reenquadrar abordagens do corpo e da sexualidade

Tempo de leitura estimado: 2 minutos
Sem título. Lee Lozano, 1962.
Sem título, 1962, Lee Lozano.

A exposição coletiva Bodily Abstractions / Fragmented Anatomies, aberta na Hauser & Wirth Monaco, traz obras de diversos artistas cujo trabalho aborda o corpo e sua anatomia de formas complexas, por meio de graus variados de abstração ou fragmentação.

Com diferentes técnicas, os artistas praticam a subversão da representação tradicional dos corpos na arte e as convenções em torno do tema. A curadoria busca dar destaque ao trabalho de mulheres artistas, mas simultaneamente inclui trabalhos que desafiam os próprios estereótipos de gênero, a binariedade e as categorias que tendem à cisgeneridade em favor da fluidez de gênero – constantemente exprimida por meio da fluidez da forma corporal.

Vista da instalação. Hauser & Wirth Monaco, 2022. Foto: François Fernandez.
Vista da instalação. Hauser & Wirth Monaco, 2022. Foto: François Fernandez.

A exibição foi inspirada no ensaio The Body in Pieces: The Fragment as a Metaphor of Modernity, de Linda Nochlin, e revisita ideias de força, sexualidade, fragilidade, doença, amor, violência e sensibilidade – relacionando-as ao corpo gendrificado. Para construção dessa narrativa, estão presentes trabalhos de grandes nomes dos séculos 20 e 21, como Louise Bourgeois, Berlinde de Bruyckere, Ellen Gallagher, Eva Hesse, Lee Lozano, Anna Maria Maiolino, Christina Quarles, Cindy Sherman, Pipilotti Rist e Alina Szapocznikow.

Ao comentar o trabalho de Louise Bourgeois e Cindy Sherman, a própria Nochlin argumentou que: “o corpo pós-moderno, do ponto de vista dessas artistas e muitas outras, é concebido unicamente como o ‘corpo-em-pedaços’: a própria noção de um sujeito de gênero designado, unificado e desprovido de ambiguidades é tida como suspeita em seu trabalho”.

Sem título. Eva Hesse, 1960.
Sem título, 1960, Eva Hesse.

A exposição conta com grande variedade de estéticas e técnicas, subvertendo a fetichização do corpo feminino ou que tem seu gênero atribuído de forma tradicional, ou mesmo sua redução a partes sexualizadas e aparências superficiais. Tais práticas são, assim, substituídas por corpos que expressam sentimentos interiores, estados psicológicos profundos e o intelecto humano.

Bodily Abstractions / Fragmented Anatomies

Data: até 30 de abril

Local: Hauser & Wirth Monaco

Endereço: One Monte-Carlo, Place du Casino, 98000 Monaco

Funcionamento: terça a sábado, das 10h às 18h

Ingresso: grátis

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support