Confira 8 destaques da Art Basel Hong Kong

A feira acontece entre os dias 19 e 23 de maio, em formato presencial e online; algumas galerias levarão obras de arte em NFT para seus estandes

São mais de 100 galerias de todo o mundo que estarão reunidas a partir desta quarta-feira, 19 de maio, até domingo, 23 de maio, na Art Basel Hong Kong! Em formato físico e virtual, o evento acontece no Centro de Convenções e Exposições de Hong Kong. O preview ocorre nos dias 19 de 20, sendo os outros dias de acesso ao público geral. Além disso, a feira estreia a iniciativa Art Basel Live: Hong Kong, consistindo na transmissão em tempo real de alguns destaques da feira em sua plataforma digital para que não pode comparecer fisicamente. Todos os dias, às 20h no horário de Hong Kong, será transmitida uma live diretamente da feira.

A feira considera esta nova iniciativa parte fundamental de seu compromisso de longo prazo com o desenvolvimento de um formato híbrido que seja cada vez mais acessível e que atenda as necessidades das galerias participantes! Desta forma, a Art Basel Live: Hong Kong é uma evolução nas experiências digitais, sendo capaz de alcançar o público de forma mais participativa e com mais dinamismo em qualquer lugar do mundo. Outra novidade é que algumas galerias levarão obras em NFT para a feira, como a Ora-Ora, que terá trabalhos de Peng Jian e Cindy Ng.

Confira aqui alguns destaques da Art Basel Hong Kong 2021.

Louise Bourgeois, Couple.
No estande da Hauser & Wirth

Esta obra faz parte de uma série de esculturas que representam casais criadas pela artista, intituladas Couple. Muitas delas são feitos de tecido – roupas, cobertores, toalhas – que ela guardou por muitos anos. Essas vestimentas eram, como ela descreveu, “sinais” significativos de sua vida e, juntas, formaram um diário de pessoas, lugares, eventos e memórias passadas. Ao incorporá-los em obras de arte, Bourgeois pretendia que sobrevivessem à sua própria presença física. Ela escreveu com frequência que a ansiedade e o medo produzem sensações de fragmentação corporal ou perda de controle. A costura e a encadernação em seus trabalhos de tecido expressam tanto a identificação com a mãe quanto o desejo de se tornar psiquicamente inteira.

As obras de Kang Seung Lee e Carrie Yamaoka
No estande da Commonwealth and Council

Kang Seung Lee é um artista coreano baseado em Los Angeles que manipula imagens fotográficas e as redesenha em grafite, sem figuras, deixando para trás um vazio cheio de fumaça no lugar do corpo. Ele interage com a história da arte queer e a epidemia de AIDS, recriando obras icônicas de David Wojnarowicz, Peter Hujar e Tseng Kwong Chi. Suas descrições deste último parecem especialmente relevantes considerando as conversas atuais sobre o que significa ser asiático na América. Existem muitas ressonâncias serendipitosas e belas entre sua prática e a de Carrie Yamaoka.

Yamaoka, junto com Nancy Brooks Brody, Joy Episalla e Zoe Leonard, foi cofundadora da coalizão artista-ativista de maricas ferozes em Nova York. Sua prática solo convida o espectador a participar da criação da obra, pois eles se refletem em suas superfícies móveis de mylar reflexivo e resina. Yamaoka considera o corpo distorcido, complementando os apagamentos de Lee; em última análise, o que fica para trás é uma sensação de perda para as forças da história.

Rirkrit Tiravanija, detalhe de (MARCH ON UNTIL IT RAINS GLASS no.1), 2018. 
No estande da Gladstone Gallery

A Gladstone Gallery apresenta um estande com obras de c e Philippe Parreno, que desde os anos 90 expandiram os aspectos relacionais do fazer artístico. Eles continuam a fazer gestos conceituais que desafiam o gênero, que confundem as linhas entre as formas tradicionais de pintura e escultura, com investigações sobre instalação e performance. Os artistas questionam coreografias sociais à medida que são modificadas pela mudança de espaços, modos de experiência e o acúmulo de resíduos culturais. Defendendo suas próprias reivindicações dentro do movimento, este estande apresenta trabalhos recentes de Tiravanija e Parreno que questionam a história e a forma.

Desde 2018, Tiravanija pinta elementos de obras de Philip Guston em páginas de jornais americanos e tailandeses. O primeiro grupo de trabalhos foi feito em 2018 sobre grades de páginas do New York Times, e em algumas, pode-se ver, no canto superior esquerdo, que são do momento da eleição de Trump. O artista combinou elementos das pinturas de Guston com símbolos do Trumpismo – o boné MAGA vermelho – de modo que a parede de Guston começou a ser lida como a parede de Trump e as vítimas de Trump foram alinhadas com as vítimas da história cujo destino Guston testemunhou em sua arte. Na segunda série de obras, Tiravanija pegou folhas soltas do Bangkok Post e encomendou a pintores tailandeses que pintassem, com muito mais cuidado, pinturas específicas de Guston sobre suas superfícies, deixando de fora os fundos para que os artigos do jornal fossem claramente legíveis.

Kimsooja, Encounter – A Mirror Woman 
No estande da Axel Vervoordt Company

A instalação site-specific Encounter – A Mirror Woman (2017-2019) já é com certeza a obra mais Instagrâmica da Art Basel Hong Kong 2021. Ela foi realizada a partir de um incentivo pela recente comissão que o recebeu para a cidade de Poitiers, terra natal de Michel Foucault. Ele combina superfície de piso espelhada, paredes espelhadas e uma tela de espelho dobrada que ecoa noções de reciprocidade e dualismo por meio de camadas de múltiplas dimensões espaciais. A colocação deste trabalho particular dentro do ambiente mais amplo de uma feira de arte proeminente, irá transformar os confins espaciais limitados do estande de arte como um local heterotópico temporário.

Esta instalação parte do influente conceito de heterotopia de Foucault, como “um local que tem a curiosa propriedade de estar em relação com todos os outros locais, mas de forma a suspeitar, neutralizar ou inventar o conjunto de relações que [isso] acontece para designar, espelhar ou refletir. [Um] espaço, por assim dizer, que [está] ligado a todos os outros, que, no entanto, contradiz todos os locais”. Encounter – A Mirror Woman criará um recinto à medida que emoldura o estande dentro da própria obra de arte. O piso de espelho delineia claramente o limite do estande de seus arredores. Este pequeno ritual não só exige dos visitantes um certo cuidado ao entrar na obra, como os convida a participar na abertura de um espaço diferente.

Movana Chen, Words of Heartbeats VI, 2020 – 2021
No estande da Flowers Gallery.

A seleção de obras da artista Movana Chen que a galeria apresenta engloba esculturas tricotadas a partir de mapas e dicionários, desenhos e uma performance participativa, criando um ambiente para conectar e contar histórias. A artista também estará se apresentando e trabalhando no estande diariamente das 14h às 16h durante a feira, convidando os visitantes a se envolverem na criação de parte de seu projeto em andamento Travelling into Your Bookshelf.

Giuseppe Penone, Pelle di grafite- riflesso di enargite
No estande da Cardi Gallery

No estande da Cardi Gallery, a seleção de obras partem de uma investigação sobre a abstração através das lentes da delicada relação entre o gesto artístico e o reino natural. Entre os trabalhos estão obras de Giuseppe Penone, conhecido por sua prática abrangente que se preocupa principalmente com a exploração da forma escultural e por ter sido peça-chave do movimento Arte Povera.

“Pelle di grafite- riflesso di enargite”, de Penone (2004), é um exemplo extraordinário da pesquisa contínua do artista sobre a materialidade e sua conversão pela mão humana. Esse trabalho em tela atua como um projeto das qualidades visuais e da textura do material grafite e enargita. Na prática de Penone, o artista muitas vezes se refere a uma dualidade entre “terra e céu, entre dia e noite, entre orelha e orelha, entre pés e cabelo, entre preto e branco, entre duas paredes.”

Jaume Plensa, Reborn, 2021.
No estande da Richard Gray Gallery | GRAY

Para esta edição presencial da Art Basel Hong Kong, a Gray fará uma apresentação individual de esculturas, desenhos e gravuras do renomado artista espanhol Jaume Plensa. Ao longo de sua carreira, Plensa produziu uma obra multifacetada com energia intrincada, peso psicológico e riqueza simbólica. As esculturas monumentais e instalações públicas do Plensa abrangem todo o mundo e podem ser encontradas em cidades como Nice, França, Chicago, San Diego, Montreal, Londres, Dubai, Bangkok, Xangai e Tóquio.

Diversificado em material e forma, sua prática é definida por noções de quietude, uma insistência na introspecção e um foco na figura humana. As obras de Plensa são principalmente meditações sobre as realidades fundamentais da existência humana. Já na Art Basel Live, a galeria leva obras de McArthur Binion, Jim Dine, Sam Francis, Theaster Gates, Andreas Gursky, David Hockney, Alex Katz, Jaume Plensa, e Leon Polk Smith.

Peter Bradley, Spring Is Here, 2019
No estande da Karma.

Bradley é um artista que pertence ao movimento Color Field. Em suas pinturas abstratas, matizes vívidos espalham-se e mancham a tela, criando efeitos de superfície que celebram os encontros com a cor. Bradley usa tinta acrílica gel, um meio que foi recentemente desenvolvido no início de sua prática, para combinar amplas passagens gestuais e camadas saturadas de cor com uma expressividade que influenciou artistas abstratos como os New New Painters na década de 1970, e expandiu as possibilidades do meio. Seu trabalho tira proveito da natureza intrinsecamente performativa da cor, revelando seu brilho e esplendor.