Dalton Paula e Joseca Yanomami inauguram exposições no MASP

As duas exposições serão abertas ao público na sexta-feira, dia 29 de julho e exploram temas diversos ligados à realidade do Brasil

Tempo de leitura estimado: 2 minutos
Joseca Yanomami, Yamanayomanɨ thë urihi karukaɨ xoao tëhë wamotima thëpë raruu totihio tëhëma thëã. Yamanayoma a, [Quando Yamanayoma, o espírito feminino da abelha, continua andando com seus passos curtos e firmes pela terra, os alimentos crescem bem. Esta é Yamanayoma], 2013. Caneta hidrográfica, lápis de cor e lápis grafite sobre papel. Doação de Clarice Tavares ao acervo MASP, 2021.
Joseca Yanomami, Yamanayomanɨ thë urihi karukaɨ xoao tëhë wamotima thëpë raruu totihio tëhëma thëã. Yamanayoma a, [Quando Yamanayoma, o espírito feminino da abelha, continua andando com seus passos curtos e firmes pela terra, os alimentos crescem bem. Esta é Yamanayoma], 2013. Caneta hidrográfica, lápis de cor e lápis grafite sobre papel. Doação de Clarice Tavares ao acervo MASP, 2021.

Com a inauguração de duas mostras individuais dos artista Dalton Paula e Joseca Yanomami, o Museu de Arte de São Paulo inaugura definitivamente, nesta sexta-feira, dia 29 de julho, a programação do segundo semestre útil do ano. Com a exposição Retratos Brasileiros, o artista brasiliense Dalton Paula apresenta os retratos pintados por ele desde 2018, que trazem homens e mulheres negros e negras que lutaram por liberdade e justiça ao longo dos séculos. A intenção de Dalton é conferir, por meio de suas pinturas, a dignidade devida a cada uma dessas pessoas ampliando a sua visibilidade e reconhecimento. 

Já a mostra Nossa Terra-Floresta é a primeira individual de Joseca Yanomami e reúne uma parte significativa de toda sua produção artística. Em seus desenhos, o artista retrata cenas e paisagens do universo yanomami, sejam da vida cotidiana ou passagens pertencentes a mitos xamânicos, partindo sempre de um repertório cultural raro e que lhe é único. Esta mostra é, também, uma luta pela existência, contra as ameaças frequentes que colocam em risco as terras e as vidas dos povos yanomami. 

Maria Firmino dos Reis, 2022, Dalton Paula.
Maria Firmino dos Reis, 2022, Dalton Paula. Folha de ouro e óleo sobre tela. (Foto: Paulo Rezende.)

Trazendo uma espécie de título-descrição em sua língua nativa, Joseca também faz com que ela permaneça viva e permite ao visitante conhecer seus traços culturais essenciais por meio de sua própria interpretação de seu povo, deixando para trás aquele velho conceito do homem branco europeu que relata a existência indígena por meio de seu olhar contaminado e colocando-o como alteridade. Aqui, Joseca narra e representa a própria cultura, deixando claro o enquadramento e a leitura a serem transmitidos. 

Ambas as mostras integram o biênio de programação no museu dedicado às Histórias Brasileiras, que coincide ainda com o bicentenário da Independência do país e com o centenário da Semana de Arte Moderna. 

Serviço:

Retratos Brasileiros e Nossa Terra-Floresta

Local: MASP

Endereço: Av. Paulista, 1578 – Bela Vista, São Paulo – SP

Data: De 29 de agosto a 30 de outubro de 2022.  

Funcionamento: De terça a domingo, das 10h às 20h 

Ingresso: R$ 50 a R$ 25. Grátis às terças. 

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support