Carregando Eventos

« Todos Eventos

  • Este evento já passou.

“Anexo do Salão Azul” de Cinthia Marcelle na Galeria Luisa Strina

31 outubro, 2023 @ 10:00 13 janeiro, 2024 @ 19:00

Anexo do Salão Azul é a primeira exposição de Cinthia Marcelle na Galeria Luisa Strina, e sua primeira individual após uma série de grandes exposições panorâmicas de sua obra realizadas em diferentes instituições entre 2022 e 2023: Cinthia Marcelle: Por via das dúvidas, no Masp – Museu de Arte de São Paulo; Cinthia Marcelle. Una conjunción de factores, noMACBA, Barcelona; e Cinthia Marcelle: Disobedient Tools, no Marta Herford Museum, em Herford, Alemanha.

Com curadoria de Beatriz Lemos, a exposição toma como ponto de partida a troca do carpete do Salão Azul do Senado Federal, permanentemente danificado durante a invasão e depredação dos prédios dos três Poderes na Capital Federal, em 8 de janeiro de 2023. Privilegiando o momento de recuperação dos edifícios que representam o Estado Democrático de Direito em detrimento dos atos de vandalismo que o antecederam, Cinthia Marcelle realizou uma intensa investigação acerca do processo de troca desse carpete, encomendando o material utilizado do único fornecedor que o produz sob medida para o edifício do Senado. O carpete é um elemento importante na identidade visual do Senado, sendo que cada uma das casas legislativas, Senado e Câmara, são representadas, respectivamente, pelas cores azul (representando o céu de Brasília) e verde (remetendo aos imensos gramados da esplanada). 

Ao utilizar exatamente o mesmo carpete do Senado para estabelecer relações de escala com a área do piso da galeria, Cinthia Marcelle cria um paralelo simbólico entre os dois espaços. Começando com uma peça de carpete que corresponde à metade da área do piso do espaço expositivo, a artista então divide a área desse elemento pelo meio para criar a próxima peça e assim por diante, até chegar em uma peça final de dimensões diminutas que evoca o “humiliminalismo” (minimalismo humilde) do Cruzeiro do Sul (1969-70) de Cildo Meireles. Esse jogo formal de relações entre o todo e as partes, embora regido por uma lógica matemática de redução, cria uma sensação de proliferação, segundo as palavras de Lemos no texto curatorial que acompanha a exposição. Por meio dessa operação, Cinthia Marcelle produz uma espécie de reificação do conceito de democracia que subjaz à existência das casas legislativas, dando corpo a uma ideia abstrata que concerne todos os espaços contidos dentro do território nacional.

Enquanto a utilização do material recém-adquirido e o aspecto inacabado que caracteriza a disposição das peças no espaço (com o carpete cobrindo apenas parte do piso e, em alguns casos, semi-enrolado e instalado parcialmente nas paredes da galeria) apontam para um momento futuro de reconstrução; no verso dos trabalhos a artista traz a sobreposição de memórias ligadas tanto à formação e ao estabelecimento dos princípios democráticos no país quanto ao próprio processo de pesquisa e identificação do fornecedor do material no qual ela e sua equipe se envolveram nos meses que antecederam a exposição. Na face posterior do carpete, Cinthia Marcelle propôs uma espécie de colagem de reproduções de páginas do Jornal do Senado (publicado entre 1995 e 2019) nas quais figuram manchetes que abordam diferentes conteúdos ligados à democracia, misturados à documentação levantada durante o desenvolvimento do projeto de exposição (plantas baixas, licitações, etc.). Esse material é organizado de forma cronológica: quanto mais antigos os materiais mais próximos ao fundo da composição, chegando até as imagens da troca do carpete do Senado e cobrindo o período de concepção da exposição. Em meio à sobreposição de diferentes tempos, no Anexo do Salão Azul concebido por Cinthia Marcelle, o público encontra-se em um ponto de inflexão entre memória e futuro. Complementando a instalação dos trabalhos em carpete, há ainda uma peça sonora que envolve a transmissão ao vivo da Rádio Senado no ambiente da galeria, trazendo a consciência do tempo presente. 

Em seu ensaio, Beatriz Lemos afirma que “Cinthia Marcelle narra, de maneira subjetiva, a ficcionalização de um novo país a partir da mudança de governo que se instaura com a missão de restaurar a estabilidade democrática brasileira. Com isso, a presença central na exposição de um elemento partícipe [carpete] que representa a literalidade dessa mudança, faz com que a obra de Marcelle nos ajude em um dos grandes desafios dessa sociedade: o de fomentar uma pedagogia social que nos faça absorver coletivamente o significado do Estado Democrático de Direito.”

Galeria Luisa Strina

Rua Padre João Manuel, 755 – Jardins
São Paulo, SP Brasil
+ Google Map
Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support