Carregando Eventos

« Todos Eventos

“Da construção da cor à dispersão da luz” de Hermelindo Fiaminghi na Galeria Superfície

22 junho @ 11:00 10 agosto @ 17:00

Hermelindo Fiaminghi, Long-play / Triângulos Entrosados, 1955. Imagem: Cortesia Galeria Superfície

A Superfície tem o prazer de apresentar a exposição Da construção da cor à dispersão da luz, individual de Hermelindo Fiaminghi. Com texto de Agnaldo Farias, a mostra contempla trabalhos desde sua fase concretista até obras de sua longa pesquisa intitulada Corluz. Da construção da cor à dispersão da luz tem abertura prevista para o dia 22 de junho de 2024, e permanece em cartaz até 10 de agosto do mesmo ano.

Nascido em São Paulo em 1920, Fiaminghi foi um artista múltiplo e de intensa atuação no cenário cultural da cidade. Suas várias experiências profissionais influenciaram mutuamente sua pesquisa imagética, resultando em um corpo de obras múltiplo porém coeso. A mostra panorâmica constrói uma cronologia do pensamento do artista através de suas obras, reunindo desde trabalhos concretistas dos anos 1950 até a série Corluz, da década de 1980.

A trajetória do artista pode ser organizada nesses dois momentos que, à primeira vista, podem parecer dissonantes. Contudo, há uma continuidade na sua forma de pensar. Se a sua fase concretista aponta para a geometria como construção da cor; em Corluz, Fiaminghi entende a questão inicial como algo mais complexo: a luz branca que incide sobre um prisma e se dispersa nas várias cores que a compõem.

Hermelindo Fiaminghi inicia seus estudos no Liceu de Artes e Ofícios de São Paulo, onde estudou pintura e cursou artes gráficas. Logo depois, passa a trabalhar nas principais gráficas do país e, em meados da década de 1950, contribui em projetos de poemas-cartazes de poetas concretos como Haroldo de Campos e Décio Pignatari, incluindo a produção gráfica da revista Noigandres. Concomitantemente, Fiaminghi se envolve com o grupo de artistas concretos de São Paulo, coordenado por Waldemar Cordeiro, e participa da I Exposição Nacional de Arte Concreta, no MAM São Paulo — da qual duas pinturas integram a presente mostra. As obras do período criam um ritmo visual e trabalham com a sugestão de deslocamento de figuras geometrizadas, principalmente triângulos, a partir da lógica concreta.

Entre 1959 e 1966, Fiaminghi frequenta o ateliê de Alfredo Volpi e passa a se aprofundar no uso da têmpera, explorando a transparência das cores. Herdando parte de seus pigmentos, Fiaminghi investiga intensamente o uso da cor, no que ele nomeou de Corluz, pesquisa que perdurará até o fim de sua vida. Na década de 1980, sua pincelada se afasta definitivamente da rigidez concretista e apresenta gestos mais livres, que revelam o colorido como superfície flutuante.

Com cerca de 20 trabalhos, Da construção da cor à dispersão da luz permite que se apreenda a produção de Fiaminghi de forma plural e panorâmica, vinte anos após o falecimento do artista, de forma a homenagear a sua trajetória e importância para a arte brasileira.

Galeria Superfície

Rua Oscar Freire, 240 – Jardim Paulista
São Paulo, SP Brasil
+ Google Map
Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support