Carregando Eventos

« Todos Eventos

Luisa Brandelli no auroras

22 junho @ 11:00 31 agosto @ 18:00

Detahe da obra de Luisa Brandelli. Imagem: Divulgação

O auroras tem o prazer de apresentar uma nova exposição de Luisa Brandelli. Ocupando dois espaços, a artista mostra um conjunto de trabalhos da sua série de miçangas, fotografias e uma peça de latão, além de um novo corpo de trabalhos pictóricos/escultóricos sobre papelão.

Existem aspectos que remetem a uma estética adolescente nessas obras, seja pelas cores fortes – quase florescentes de algumas de suas obras de miçangas – ou pelos dois autorretratos que mostram o desconforto da autossensualização da artista na transição para sua vida adulta, mas também pelos materiais que a artista coleciona e utiliza em sua obra “sem título” que remetem a esse universo. São bijuterias, penduricalhos, um iPod (que marca por si só um recorte temporal, sabe-se lá que músicas estão ali dentro) e toda sorte de coisas que poderia se achar sobre a escrivaninha do quarto de uma adolescente do início dos anos 2000. As obras operam dentro de lógicas de superficialidade, isto é, as coisas acontecem na superfície: no reflexo do vidro das fotografias muito escuras; de outra maneira, na maneira direta e achatada de “exotic juxtaposition of rich and poor”; ou ainda no preenchimento lento e constante, cheio de erro e improviso, que constitui os trabalhos de miçangas.

Há também uma pseudo-contradição entre uma tradição minimalista que a artista adota e uma profusão de detalhes – que indicam uma temporalidade alargada – detalhes estes que apontam, de novo, para uma dimensão íntima e pessoal (mesmo que muitas vezes produzida através de commodities de massa). Por fim, pode-se argumentar que existem elementos que apontam, se não para uma dimensão de classe, necessariamente para uma questão de valor e do gesto artístico. Esse gesto, nos trabalhos de Luisa, é contaminado por pequenas marcas e sujeiras do trabalho mínimo e impreciso da mão. A artista não considera que exista uma hierarquia entre materiais, nem entre procedimentos. No final das contas, o que é elevar o papelão (quiçá o mais mundano dos materiais) à obra de arte com um gesto tão simples? O toque da artista, literalmente o “pózinho do pirlimpimpim” que acumula nas dobras do papelão, é tudo que é necessário para que a condição desse material se transforme completamente. Parece um pouco carnaval. Momentaneamente o mais baixo dos baixos fantasia-se – tanto no sentido de seu vestuário quanto na conotação imaginativa, de projeção – como o mais exuberante membro da realeza. Talvez seja isso que a adolescente projeta no seu quarto enquanto escuta Destiny’s Child e organiza sua caixinha de jóias e outras bugigangas.

Auroras

426 Av. São Valério Morumbi
São Paulo, São Paulo Brasil
+ Google Map
Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support