Carregando Eventos

« Todos Eventos

  • Este evento já passou.

“Maria Lira Marques – Roda dos Bicho” no Instituto Tomie Ohtake

2 março @ 11:00 2 junho @ 20:00

Maria Lira Marques, Sem título, 2023

O Instituto Tomie Ohtake apresenta Roda dos Bichos, exposição dedicada à produção de Maria Lira Marques. Tendo como curador Paulo Miyada e curadora assistente Sabrina Fontenele, a mostra reúne trabalhos de toda a carreira de Lira Marques, que nas últimas três décadas extrai o barro das encostas mineiras para produzir cerâmicas e pigmentos naturais para suas pinturas e esculturas. Com uma produção profundamente marcada pelo imaginário do semiárido mineiro, a artista se destaca por desenvolver uma linguagem singular, pintando em pedras ou sobre o papel, seres que habitam seu universo. A mostra conta com o patrocínio da Oliver Wyman, Dasa, Instituto SYN e Shopping Tietê Plaza, através da Secretaria Municipal de Cultura de São Paulo, via Programa Municipal de Apoio a Projetos Culturais e do Ministério da Cultura, via Lei de Incentivo à Cultura.

A mostra no Instituto Tomie Ohtake, a primeira institucional de sua carreira, é dividida entre as três salas à esquerda do grande hall. Na primeira, redonda, estão as pinturas em seixos de rio e outros trabalhos em papel. A segunda traz diferentes grupos de obras e famílias de bichos, reunindo grande parte dos trabalhos apresentados na exposição, enquanto a terceira sala, além de apresentar obras do início da carreira de Maria Lira, é dedicada sobretudo a contextualizar o seu trabalho e sua ligação com o Vale do Jequitinhonha, através de documentos, objetos, cantos e fotografias. Um curta-metragem produzido especialmente para a exposição, exibindo seus cantos, trajetória e obra, completa a exposição.

Natural de Araçuaí, no Vale do Jequitinhonha, Maria Lira tem 78 anos, é ceramista, pintora e pesquisadora autodidata. O interesse pelo barro surgiu ainda na infância, observando a mãe criar presépios em barro cru para presentear vizinhos. Foi com a cera de abelha que o pai usava em sua sapataria que moldou seus primeiros objetos. Mais tarde, aprendeu o ofício com a vizinha Joana, ceramista que lhe ensinou a coleta correta do barro e sua queima em forno à lenha.

Com o auxílio de livros emprestados por familiares e vizinhos, passa a produzir bustos, que rapidamente são substituídos por obras que retratam a complexa realidade de sua região, historicamente marcada pela pobreza. Na década de 70, conhece Frei Chico, missionário holandês que vira seu grande amigo e parceiro profissional. Juntos, passam a documentar a memória cultural do Jequitinhonha, gravando cantos e rezas tradicionais.

Acometida por uma tendinite, Maria Lira troca as esculturas pela pintura, usando o barro em diferentes tonalidades como pigmento para desenhar seus bichos. Segundo Paulo Miyada, “Os bichos do sertão de Lira vivem na paisagem imaginante que se forma na ressonância entre a artista e o território. Tomam assento na superfície arredondada de seixos de rio, delineiam-se entre manchas feitas de água, cola e pigmentos minerais. Reaparecem enquadrados em planos de tons de vermelho, ocre, branco e amarelo, sozinhos ou em grupo, muitas vezes junto a símbolos-runas que traduzem elementos mais-que-humanos. São bichos de terra, marcam-se na terra, e estão sempre grávidos de movimento”, comenta.

Instituto Tomie Ohtake

Rua Coropé, 88 – Pinheiros
São Paulo, SP Brasil
+ Google Map
Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support