Carregando Eventos

« Todos Eventos

Nicolai Dragos e Seyni Awa Camara na Gomide&Co

20 junho @ 10:00 3 agosto @ 19:00

À esquerda, “Sem título”, 2010, de Seyni Awa Camara; à direita “Procurando mitos”, 1985, de Nicolai Dragos Cortesia Gomide&Co

A Gomide&Co tem o prazer de apresentar as individuais de Nicolai Dragos (Romênia, 1931 – Brasil, 2020) e Seyni Awa Camara (Senegal, 1945), que inauguram simultaneamente na galeria no dia 20 de junho, às 18h. A exposição de Dragos tem organização da galeria em parceria com Laymert Garcia dos Santos, que também assina o texto crítico, e procura promover uma recuperação histórica desse artista singular, que viveu e produziu durante mais de quatro décadas no Brasil, reunindo um conjunto de pinturas de uma de suas fases mais expressivas, datada principalmente da década de 1980. Junto às pinturas de Dragos, serão apresentadas de maneira inédita no Brasil as impressionantes esculturas em cerâmica de Seyni Awa Camara, comentadas em texto crítico de Luciara Ribeiro. Oriundos de realidades distintas, as pinturas de Dragos e as esculturas de Seyni encontram-se pela primeira vez no mesmo espaço, uma oportunidade que procura refletir de que maneira o inconsciente se expressa através dasformas. A expografia é assinada por Lucas Jimeno Dualde.

Nascido em 1931 em Cetatea-Alba, cidade romena na Bessarábia que fazia parte da União Soviética na época, Nicolai Dragos entrou no cenário artístico de seu país ainda jovem, em Bucareste. No final da década de 1940, já interessado em estudar pintura, conheceu Rudolf Schweitzer-Cumpana (1886–1975) e Corneliu Baba (1906–1997), dois dos pintores mais relevantes de seu país. Nesse período, desenvolveu interesse também pelo expressionismo, realizando em 1952 uma viagem à Bruxelas que se tornaria seminal em seu percurso artístico. Permaneceu dois meses estudando na capital belga, onde teve contato com a obra de protagonistas do conhecido grupo CoBrA, formado por artistas de Copenhage, Bruxelas e Amsterdam. O grupo ofereceu novas referências estéticas para Dragos, com práticas semi-figurativas e gestuais e, no limite, toda uma relação com o método e a fatura da pintura com a qual o jovem artista se identificou, adotando nas décadas posteriores.

A partir de sua primeira individual em Bucareste em 1954, Dragos passou a participar de diversas individuais e coletivas em instituições e galerias de cidades como Sofía, Paris, Bruxelas, Düsseldorf, Colônia, Le Havre, Istambul, Varsóvia, entre outras. Emigrou para o Brasil junto à sua esposa em 1976, e, nos anos subsequentes, suas obras circularam por diversas exposições, mas já num período em que seu trabalho como médico patologista passava a ocupar maistempo de sua rotina, no que sua produção artística ficou em segundo plano – apesar do artista nunca ter parado de produzir.

Seyni Awa Camara é uma ceramista senegalesa, residente em Bignona, na região de Casamance, sul do país. Na comuna de Oussouye, na mesma região, passou a realizar os primeiros trabalhos com cerâmica, conhecimento transmitido ali de forma hereditária entre as mulheres, que historicamente produzem utilitários como cântaros, pratos e potes de tabaco. Seyni é um caso substancial que rompe com essa corrente milenar, indo além das produções características da região e produzindo esculturas nas quais figuram representações femininas totêmicas, com pequenas cabeças e corpos que se acumulam uns sobre os outros, o que confere altura às peças. Com uma obra permeada pelas tradições animistas do povo Diola (majoritário na região de Casamance), Seiny edifica seus trabalhos com ligações explícitas com o divino – também referente ao Islamismo, sua religião. Cria assim motivos que derivam principalmente das suas visões, abrangendo animais de diferentes escalas e híbridos de bicho-gente.

Tanto Dragos quanto Seyni trabalham o inconsciente, ainda que criando diferentes resultados em suportes distintos. Na pintura de Dragos, sempre surge um figural que nunca se consuma numa figura acabada, enquanto Seyni cria suas esculturas no sentido oposto, engendrando signos variados no topo de suasfigurastotêmicas. Ambos os artistas exploram, cada qual em sua linguagem, o âmago do gesto. Dragos trabalha a partir de um caráter embrionário na pintura, realizando suas obras com as telas pintadas diretamente no chão, enquanto Seyni cria suas esculturas concebendo o seu animismo que lhe é particular, representando e aludindo seus antepassados para dar caminho às gerações porvir. Em diferentes latitudes, os artistas exploram os limites do sublime, onde tudo se cria e se deforma. Criadores de realidades inimagináveis, os dois artistas sugerem, aqui, representações das formas múltiplas de seus inconscientes.

Gomide&Co

Avenida Paulista, 2644
São Paulo, São Paulo 01310934 Brasil
+ Google Map
Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support