Geraldo de Barros pela primeira vez na Suíça

Mostra em Genebra refaz trajetória do artista a partir de seu retorno à arte concreta, no final da década de 1970

Tempo de leitura estimado: 3 minutos
Vista da exposição de Geraldo de Barros no Mamco, em Genebra; foto: Annik Wetter
Vista da exposição de Geraldo de Barros no Mamco, em Genebra; foto: Annik Wetter

Geraldo de Barros (1923-1998) é um nome essencial para entender a arte conceitual no Brasil. Antes dos anos 1970, o pintor, fotógrafo e designer já havia, por exemplo, inaugurado a abstração na fotografia brasileira por meio da exposição Fotoformas, que ocorreu em 1951 no Masp. 

No ano seguinte, ele fundou o grupo Ruptura, cujo objetivo era alinhar a arte brasileira à modernização que ocorria no país e que tornou-se um marco da introdução da arte concreta no Brasil.

Vista da exposição de Geraldo de Barros no Mamco, em Genebra; foto: Annik Wetter
Vista da exposição de Geraldo de Barros no Mamco, em Genebra; foto: Annik Wetter

A exposição Geraldo de Barros que abre no próximo dia 22.3, terça-feira, no Musée D’Art Moderne Et Contemporain em Genebra (Mamco Geneve), no entanto, foca a profícua trajetória do artista a partir de um ponto específico: o seu retorno à arte concreta no final da década de 1970, quando abandonou as telas e pincéis para trabalhar com materiais industriais, como a fórmica. A curadoria é de Paul Bernard, com colaboração de Fabiana de Barros e Michel Favre.

A exposição apresenta um conjunto de obras pensado a partir da participação dele na 15ª Bienal de São Paulo (1979). Seu objetivo era encontrar o “objeto-forma”, que não fosse nada além dele mesmo, e democratizar a arte por meio do uso de processos e materiais industriais para produção em grande escala. 

Vista da exposição de Geraldo de Barros no Mamco, em Genebra; foto: Annik Wetter
Vista da exposição de Geraldo de Barros no Mamco, em Genebra; foto: Annik Wetter

A mostra contempla também fotografias da série Fotoformas, e pinturas com estética pop art que, diferentemente da vertente norte-americana, carregavam forte conotação política e social. Visitantes também poderão conferir mobiliários do artista produzidos pela Unilabor e Hobjeto, fábricas concebidas por ele e pautadas na coletividade e na ética — iniciativas que reforçam o caráter social de sua obra.

Vista da exposição de Geraldo de Barros no Mamco, em Genebra; foto: Annik Wetter
Vista da exposição de Geraldo de Barros no Mamco, em Genebra; foto: Annik Wetter

Ao longo de sua trajetória, de Barros participou também do Foto Cine Clube Bandeirante e fundou o grupo Rex, reunindo artistas interessados nas ideias do dadaísmo, da pop art e dos happenings. Seu último trabalho, em 1996, após uma série de derrames, foi a série Sobras, na qual manipulava e reconstruía imagens de negativos. 

Geraldo de Barros

Data: 22 de fevereiro a 19 de junho de 2022 

Local: Mamco Geneve

Funcionamento: terça a sexta, das 12h às 18h; sábado e domingo, das 11h às 18h

Ingresso: 15 CHF (franco suíço)

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support