Hilal Sami Hilal: Tudo Bem

Galeria Marilia Razuk, São Paulo

Tempo de leitura estimado: 2 minutos

A exposição Tudo bem, do artista capixaba Hilal Sami Hilal, tem como fio condutor o trecho de uma música de Bob Dylan, que o artista sempre guardou em sua memória:

“Tudo bem, meu filho?
Tudo bem, mamãe, só estou sangrando”

As palavras se repetem como um mantra em diversos trabalhos da exposição. A obra principal conta com 5 peças independentes de 150 x 150 cm, juntas compõem um grande painel de 4,50m de cobre e oxidação, em formato de um grande “curativo”. Por entre os planos transpassados, a área da “ferida” forma uma cruz, um curativo gigante. Outros trabalhos em pequena dimensão surgem a partir de pedaços deste, onde o artista utiliza um procedimento de gravura, utilizando um produto oxidante, formando pequenas placas de cobre de 42 x 42 cm.

Etiquetas coloridas bordadas com o trecho da música evocam Arthur Bispo do Rosário, bem como barras de bronze com a frase dominante impressa e gravada em baixo relevo. A ideia central é falar sobre a linguagem como principal vergalhão de nossa existência, nossa sustentação, trazendo a referência a um ambiente trágico, doentio, em sua poesia. E por outro lado os materiais trazem uma atmosfera sombria mas também brilhante, com a presença de cobre, ouro, pós de metal, oxidantes e tramas.

Outra série de trabalhos presente na exposição, começou a se desenhar há 2 anos atrás. “Alepo”, cidade natal do pai do artista, foi palco da guerra na Síria, e dá título à esta série. Trata-se de um tecido de massa de papel e pó de ouro, as marcações feitas com pedras e cacos de ladrilho, lembram furos de bala, evocando as situações de catástrofe da guerra, elevando o título da exposição, tão simples e corriqueiro, a um paradoxo, um enigma típico da poética do artista. As obras de Hilal Sami Hilal nos levam a um lugar de fascínio e beleza próximo do extase religioso, e sua profunda experiência em métodos de gravura, dão às obras um caráter de revelação.

Hilal Sami Hilal: Tudo Bem
Abertura: 09/11/19, 11h-16h
Visitação: até 30/01/2020; segunda a sexta, 10h30-19h; sábado, 11h-16h
Galeria Marilia Razuk: Rua Jerônimo da Veiga, 131, São Paulo. Entrada gratuita

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support