“Hudinilson Jr.: Explícito”, na Pina_Estação

Pina Estação, São Paulo

Tempo de leitura estimado: 3 minutos

A Pinacoteca de São Paulo apresenta a exposição “Hudinilson Jr.: Explícito”, que reúne 77 obras provenientes de uma expressiva e recente doação com 95 itens ao acervo do museu realizada pela família do artista e pela Galeria Jaqueline Martins. Com curadoria de Ana Maria Maia e assistência de Thierry Freitas, ambos da equipe do museu, o recorte elucida, de maneira panorâmica, aspectos da trajetória desse “artista total”, falecido em 2013 aos 56 anos.

Hudnilson Jr. cursou artes plásticas na FAAP entre 1975 e 1977 e em 1979 fundou com os artistas Rafael França (1957-1991) e Mário Ramiro (1957) o grupo 3NÓS3, que até 1982 realizou intervenções artísticas na paisagem urbana de São Paulo. Em 1984 participou da 1ª Bienal de Havana e da exposição Arte Xerox Brasil, na Pinacoteca de São Paulo, da qual foi o curador. Expôs na 16ª e na 18ª Bienal Internacional de São Paulo (1981 e 1985) e na 3ª Bienal de Artes Visuais do Mercosul, em 2001.

Essa exposição agora reúne fotografias, xilogravuras, desenhos, documentos, cadernos, objetos e trabalhos em xerografia. Entre os últimos consta uma de suas séries mais conhecidas, Exercício de me ver (1980-1984), que marca seu pioneirismo, no início dos anos 1980, no uso da xerox como suporte artístico no Brasil. Entre 1975 e 1981, Hudinilson Urbano Jr. (1957-2013) coordenou o Centro de Xerografia na Pinacoteca, no qual foi responsável por fomentar uma produção prática, teórica e editorial nesse suporte. Realizou ainda, na instituição, quatro exposições individuais e curou duas coletivas com trabalhos produzidos a partir do mesmo suporte.

Durante o período de pesquisas e dispondo frequentemente do próprio corpo nu, utilizou uma fotocopiadora da instituição para realizar ações que unem performance e registro e que acabaram tornando-se marcos importantes da arte produzida no período. Com a doação, a série retorna agora ao espaço onde foi concebida. Em Detalhe do detalhe (1981-1983), espécie de desdobramento de Exercício de me ver, Hudinilson Jr. ampliou pequenos pedaços da primeira série até sua quase total abstração, escapando assim de uma eventual censura devida à aspiração erótica e pornográfica da obra. Dessa necessidade constante de se expor, de se tornar explícito, surge também a obra Intra Narciso (1990), em referência à personagem da mitologia grega que se apaixona pela própria imagem. A figura, adotada pelo artista como codinome ao longo da vida, aparece em boa parte de suas obras.

“Ainda que íntima e particular, sempre calcada nas experiências pessoais, sua obra se prestou a testar os efeitos de se estar exposto, sujeito às relações e disputas de um repertório comum”, reflete a curadora da mostra. O museu e a cidade, portanto, foram duas instâncias da vida pública com as quais o artista se engajou. Esse interesse consta nos projetos que desenvolveu no decorrer de mais de três décadas de carreira, e que agora, graças ao gesto generoso de sua família, podem se unir às quatro obras já existentes na coleção da instituição, abrindo caminhos para que a Pinacoteca venha a tornar-se um dos principais locais de pesquisa sobre o legado do artista.

Hudinilson Jr.: Explícito
Curadoria:
Ana Maria Maia, com assistência de Thierry Freitas
Abertura: 14/03/2020, 11h
Visitação: até 17/08/2020; quarta a segunda, das 10h às 18h
Pina_Estação: Largo General Osório, 66 – Luz – 2º andar. Entrada gratuita.

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support