Mais de 90 galerias participam de nova edição online e temática da Art Basel

A “Art Basel OVR: Portals” se estende até 19 de junho e conta com a presença de seis galerias brasileiras em primeira edição comandada por três curadores convidados

A Art Basel já realiza desde o ano passado algumas edições virtuais que são guiadas por recortes específicos. Nesta quinta-feira, foi iniciada mais uma dessas edições, mas com uma novidade: é a primeira vez que o evento tem comando de curadores. A Art Basel OVR: Portals ficou a cargo de Magali Arriola, diretora do Museu Tamayo da Cidade do México; Christina Li, uma curadora independente baseada em Amsterdã e Hong Kong; e Larry Ossei-Mensah, cofundador da Artnoir e curador geral da Brooklyn Academy of Music. O público geral pode conferir até sábado, 19 de junho!

São 94 galerias de todo o mundo ao todo nesta edição especial da feira, reunidas pelo trio que considerou um eixo temático que abarca trabalhos “que abordam as realidades desconexas que surgiram como consequência dos eventos do ano passado: a pandemia global, recentes convulsões políticas e a recalibração do comportamento social em todo o mundo”. Dessas dezenas de galerias, seis são brasileiras, sendo elas A Gentil Carioca, Central Galeria, Galeria Leme, Galeria Luisa Strina, Galeria Vermelho e Mendes Wood DM. Cada uma apresenta obras em mostras temáticas, mas que seguem o conceito direcionado pelos curadores.

Abaixo, você confere três estandes que retiramos da seção Curator’s Picks, onde cada um dos curadores escolhe os viewing rooms imperdíveis, levando em conta a proposta temática de cada galeria. 

Na lista de Magalí Arriola:

A Political Animal, na kamel mennour

Latifa Echakhc, Sun Set Down (02), 2021

A Galeria kamel mennour apresenta uma seleção de pinturas e esculturas produzidas nos últimos quatro anos por sua geração mais jovem de artistas, incluindo Mohamed Bourouissa, Latifa Echakhch e Camille Henrot.

Os três artistas exploram as noções de comunidade e identidade: o processo coletivo (Mohamed Bourouissa), atração e divisões sociais (Latifa Echakhch) e apego humano (Camille Henrot), levantando a questão: o homem é um animal político?

Tempo, na A Gentil Carioca

Laura Lima, Bosch Picotado, 2019

A galeria brasileira A Gentil Carioca apresenta nesta edição especial da Art Basel OVR uma reflexão sobre o impacto dos últimos acontecimentos e as inevitáveis mudanças de paradigma na vida de todos nós; a partir de uma costura de narrativas presentes nas obras de Laura Lima, João Modé e Rodrigo Torres.

As viagens pararam, as rotinas mudaram e os dias – com confinamento e restrições – se alongaram e se repetiram como um ciclo sem fim. Fica explícito que, de alguma forma na vida de todos, a percepção do Tempo, como antes sabíamos, parou no início de 2020. Para explicar, adapta um trecho de Momo and the Lord of Time, de Michael Ende: “Você não pode perder tempo, tampouco. É como uma fragrância? É tudo o que existe ou poderia existir, de natureza corpórea ou incorpórea, que está sempre passando e deve vir de algum lugar. É como o vento? Não! Eu já sei! Talvez seja um tipo de música, que não ouvimos porque está sempre lá. Mas acho que ouvi, muito baixinho”.

By Desire, na Galeria Nora Fisch

Juan Tessi, Joven Fotógrafo y su Amiga Musa (Young Photographer and His Muse), 2021

Esta sala explora o surgimento em Buenos Aires de uma poética vibrante de expressão de gênero, enraizada nas sensibilidades, tradições e comunidades locais, como se manifesta nas obras de Fernanda Laguna, Osías Yanov e Juan Tessi.

Em suas práticas artísticas, as abordagens e os materiais tradicionais estão em um processo ativo de transformação, assim como os corpos. Esses artistas vivem e trabalham em um contexto, a Argentina, onde o mais poderoso movimento de mudança social da atualidade está ligado às questões de gênero. Ni Una Menos —um movimento de massa influente nascido nos últimos anos em resposta a uma epidemia de violência doméstica e relacionada ao gênero— se esforça para defender os direitos das mulheres e das pessoas transgênero. O título da sala é uma referência ao seu lema, “Nos mueve el deseo” (“Somos movidos pelo desejo”), que foge à auto-vitimização. A sala aborda o enfoque do projeto Portais em termos de recalibragem do comportamento social; as várias definições de comunidade e identidade; as interações entre passado e presente, local e global.

Na lista de Larry Ossei-Mensah:

Lourival Cuquinha – Documents of Barbarism, na Central Galeria

Lourival Cuquinha, Phase Transition // Modou, 2018

Esta é a primeira mostra do artista desde que ele é representado pela galeria. Partindo da afirmação de Walter Benjamin – “Não há documento de civilização que não seja ao mesmo tempo um documento de barbárie” -, a seleção de obras elabora um estudo sobre um passado bastante prevalente, contando histórias de uma perspectiva não oficial e carregando sua definição às estruturas coloniais da sociedade. Cuquinha absorve indícios de uma contemporaneidade violenta, abordando questões urgentes no Brasil de hoje, como a degradação do meio ambiente, a luta dos povos indígenas e dos sem-teto.

monument/monumental, na Lehmann Maupin

Catherine OpieUntitled #4, Richmond, Virginia (monument/monumental), 2020

Em ‘monument/ monumental’, um conjunto de sete novas obras de grande formato de Catherine Opie examina a fragilidade, beleza e poder da paisagem americana – e identidade americana – durante este momento crucial no tempo.

Ao longo de sua carreira de décadas, Opie viajou extensivamente por todo o país, explorando a diversidade das comunidades e paisagens da América e documentando assuntos americanos essenciais, desde jogadores de futebol do ensino médio até a posse presidencial de 2008. Hoje, em meio a uma pandemia global, o aumento devastador do desemprego no país, o movimento Black Lives Matter e os levantes públicos contra a violência policial, e a preparação para as eleições presidenciais dos Estados Unidos em 2020, Opie novamente embarcou em uma viagem, desta vez em todo o país em um trailer recém-adquirido – para documentar as pessoas, lugares e pontos de referência que se tornaram os marcadores visuais da convulsão do país. As imagens resultantes não apenas testemunham este momento, mas também oferecem uma expressão poética das dimensões emocionais e psicológicas da complexidade da identidade americana.

We were all once here and thereby, na Athr Gallery

Mohammad Alfaraj, The Moon Falling in the Night’s Lap , 2020

Em linha com o tema proposto, a Galeria gostaria de apresentar o trabalho de Ahaad Al Amoudi que tem observado e estudado extensivamente, mas com humor, o processo de mudança no GCC em geral e no reino da Arábia Saudita em particular, Alamoudi corpo de trabalho compartilha uma exploração das condições sociais e culturais óbvias e obscuras da Arábia Saudita contemporânea, o trabalho de Alamoudi amplia a noção dos efeitos da globalização e questiona a identidade no reino através do produto sócio-cultural usado em suas obras.

Na lista de Christina Li

Mandy El-Sayegh, held in each state, na Thaddaeus Ropac

Mandy El-Sayegh White Grounds (Noir), 2021
Mandy El-Sayegh, White Grounds (Noir), 2021

Nascida na Malásia em 1985, a artista londrina Mandy El-Sayegh baseia-se na história de sua família – incluindo a formação de seu pai na Palestina e o trabalho de sua mãe como parteira – para explorar temas relacionados ao deslocamento cultural e linguístico. Ela procura preservar eventos, artefatos e memórias que ela teme que possam ser perdidos ou apagados da narrativa histórica, reunindo-os em novas configurações ou “corpos”.

A linguagem do corpo ganha destaque nessas novas obras, que a artista descreve como presas “em um estágio de ferida”. Ela sobrepõe fragmentos de imagem e texto – incluindo papel de jornal, ilustrações anatômicas e a caligrafia árabe de seu pai – com elementos serigrafados que são sobrepostos por uma grade pintada à mão. Para a artista, esse processo de estratificação está ligado à ideia de cura. Esse papel reparador da arte, que aborda traumas individuais e coletivos, assume um novo significado em relação à pandemia global.

Unrest, na Sabrina Amrani

Joël Andrianomearisoa, Ausência, 2017

A apresentação aborda as tensões e aspectos vitais de uma sociedade em declínio, tanto no plano social e político, quanto no plano natural. De diferentes geografias e contextos, e por meio de sua própria linguagem artística, os três artistas investigam os padrões de poder, traços de dominação colonial, tensões sociopolíticas e destruição ambiental.

Levantando as complexas questões da destruição como condição necessária para a construção de uma modernidade idealizada e a coexistência de realidades locais com esses ideais globalizados, Unrest exemplifica as identidades fluidas de territórios e culturas marginalizadas.

Dinh Q. Lê, na P.P.O.W

Dinh Q. Lê, Untitled from the series Hill of Poisonous Trees, 2008

Sintetizando sua própria memória e percepção com representações populares de entretenimento e jornalismo das culturas ocidental e oriental, a voz singular de Lê reformulou histórias globais do sul do Vietnã, desafiando a censura, a exploração e a propaganda de todos os lados. Dinh Q. Lê é mais conhecido por suas tecelagens fotográficas em grande escala, que alcançaram reconhecimento internacional desde suas primeiras exposições no início dos anos 1990. Seu trabalho já foi objeto de exposições individuais no Museum of Modern Art de Nova York em 2010 e no Mori Art Museum de Tóquio em 2015, entre outros. Expôs na 50ª Bienal de Veneza em Delays and Revolutions em 2003 e dOCUMENTA (13) em 2012, entre muitas outras exposições coletivas a nível nacional e internacional.