Márcia Falcão revela relações entre o corpo feminino e a cidade

Pinturas figurativas da primeira individual da artista partem da experiência de sua própria na periferia do Rio de Janeiro

Tempo de leitura estimado: 2 minutos
Márcia Falcão
Márcia Falcão

A pintura figurativa voltou com tudo, mas não são flores que os colecionadores querem. O movimento é em direção a enredos potentes e simbólicos. Não à toa, muitas galerias passaram a representar novos promissores nomes cujos trabalhos carregam uma disputa única entre  a gestualidade e a narrativa. 

É o caso de Márcia Falcão que abre, no dia 6 de novembro, sua primeira individual na Carpintaria. Marcada pelo gesto e fiscalidade, sua pintura articula relações entre o corpo feminino e a cidade, partindo da experiência da própria artista na periferia do Rio de Janeiro, onde nasceu, vive e trabalha. As composições figurativas em palhetas soturnas, pautada centralmente por marrons e vermelhos, questionam estereótipos entre elementos alegóricos que marcam a história e cotidiano da cidade.

Márcia Falcão
Márcia Falcão
Márcia Falcão
Márcia Falcão
Márcia Falcão
Márcia Falcão
Márcia Falcão
Márcia Falcão
Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support