Memorias del Subdesarrollo: El giro descolonial en el arte de América Latina, 1960–1985

Museo Jumex, Cidade do México

Tempo de leitura estimado: < 1 minuto

O Museo Jumex apresenta a exposição Memorias del subdesarrollo: El giro descolonial en el arte de América Latina, 1960–1985. A mostra examina uma importante mudança de paradigma na cultura e nas artes visuais da América Latina, entre o início dos anos 1960 e meados dos anos 1980. Este deslocamento se caracterizou pela articulação de uma contra-narrativa à retórica desenvolvimentista, revelando os pensamentos descoloniais nas práticas artísticas que emergiam na região durante o período. Intelectuais e artistas ecoavam as críticas que vinham do campo da economia política, questionando os modelos culturais e estéticos impostos. Distanciavam-se, assim, dos cânones e do vocabulário formal da modernidade, incorporando os saberes locais e expressões populares e vernaculares às suas produções. A mostra tem a presença de brasileiros importantes domo Hélio Oiticica, Lygia Pape e Lina Bo Bardi, entre outros.

Memorias del subdesarrollo foi organizada pelo Museum of Contemporary Art San Diego (MCASD), em parceria com o Museo Jumex e com o Museo de Arte de Lima. Concebida por Julieta González, diretora artística do Jumex, contou com a assistência de Kathryn Kanjo, Sharon Lerner, Jacopo Crivelli Visconti, Anthony Graham e Jenna Jacobs.

Memorias del subdesarrollo: El giro descolonial en el arte de América Latina, 1960–1985
Visitação: 
22/03 a 09/09; terça a domingo, 11-20h
Museo Jumex: Blvd. Miguel de Cervantes Saavedra, 303, Colonia Granada, 11520 Ciudad de México; Público geral – $50 pesos; Público nacional – $30 pesos; entrada gratuita a menores de 15 anos, estudantes, professores e idosos, e também aos domingos.

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support