MIS exibe “Espaço Além – Marina Abramović e o Brasil”

Tempo de leitura estimado: 3 minutos

No dia 13/08/19, às 19h, o MIS realiza o Ciclo de Cinema e Psicanálise com exibição do documentário “Espaço Além – Marina Abramovic” e o Brasi, de Marco Del Fiol e distribuído pela ELO Company. O programa é uma parceria com a Sociedade Brasileira de Psicanálise de São Paulo e apoio da Folha de S.Paulo. A sessão, que tem entrada gratuita e acontece no Auditório MIS (172 lugares), será seguida de debate com o psicanalista convidado João Frayze-Pereira e com o jornalista Silas Martí. A diretora de Cultura e Comunidade da SBPSP, Luciana Saddi, mediará a conversa.

Espaço Além – Marina Abramovic e o Brasil (dir. Marco Del Fiol, 2015, Brasil, 86’, documentário, digital)

Em busca de cura pessoal e inspiração artística, Marina Abramović viaja pelo Brasil experimentando rituais sagrados e desbravando os limites entre arte e espiritualidade. Até onde ela iria para compor novas obras de arte? O filme faz um registro etnográfico enquanto observa os processos de apropriação artística e humana de Marina. Ela entra em contato com os rituais do Vale do Amanhecer, o xamanismo na Chapada Diamantina, o candomblé na Bahia e os cristais de Minas Gerais.

A mundialmente conhecida artista de performance Marina Abramovic viaja, a procura de cura espiritual, por lugares místicos e comunidades religiosas do Brasil. As mais variadas formas de crença e expressões da religiosidade não oficial do país estão no centro do filme. A fé ganha contornos, rituais e palavras. Há mestres e guias. O saber popular emerge em condições precárias ou duvidosas, situa-se entre o abandono e o desamparo, mas oferece os mais variados lenitivos ao sofrimento. Comunidades religiosas fincam raízes em lugares distantes. Suas práticas são esdruxulas à modernidade.

A artista quer se recuperar, se curar da dor psíquica após o fim de um relacionamento amoroso muito significativo. Ela se entrega aos curandeiros. Dor, perda e fé se entrelaçam em práticas religiosas não convencionais. A própria prática de performance, a arte de Abromovic, se assemelha aos rituais expostos pelo filme ao visar a transcendência e a comunhão do artista com a obra.

“Momentos de crise são importantes para a psicanálise. São oportunidades de transformação e autoconhecimento. Angústias e sofrimentos apesar de perturbadoras trazem revelações. Movimenta.”, explica Luciana Saddi. “A psicanálise em sua condição de saber, tratamento e método de investigação conjuga arte e dor, sofrimento e religião, fé e necessidade, ilusão e realidade”, completa.

Os rituais e crenças religiosas tamponam ou dão forma ao desespero? A performance artística visa resgatar o inconsciente profundo e diz respeito ao sagrado que acompanha toda e qualquer cultura humana desde os tempos primordiais? Ou rituais espiritualizados são manifestações sociais que visam tirar proveito da fragilidade e ignorância dos aflitos? E as expressões artísticas sublimam a dor ao resgatarem as verdades humanas ou delas se aproveitam? Estas e outras questões estarão no cerne do debate.

Sobre os convidados

João Frayze-Pereira é psicanalista e professor. Graduação, Mestrado, Doutorado e Livre-docência no Instituto de Psicologia da USP. Pós-doutorado em Estética na École des Hautes Études en Sciences Sociales, Paris. Professor do Instituto de Psicologia e do Programa de Pós-Graduação Interunidades em Estética e História da Arte da USP. Membro efetivo e analista didata da Sociedade Brasileira de Psicanálise de São Paulo (SBPSP) e da International Psychoanalytical Association (IPA). Membro da Euro-Latin American Psychosomatics School (EULAPS), sediada em Moscou, Russia, na qual é supervisor e docente. Membro da Associação Brasileira de Críticos de Arte (ABCA) e da Association Internationale des Critiques d’Art (AICA). É autor de livros e artigos relacionados aos seguintes campos: Arte e Psicanálise; Estética e Clínica Psicanalítica; Corpo, Arte e Dor; Loucura e Cultura; Crítica às posturas objetivista e subjetivista na Psicologia e na Psicanálise; Crítica de Arte, Psicanálise e Estética da Recepção.

Silas Martí é editor da Ilustrada, caderno de cultura da Folha de S.Paulo. Foi correspondente do jornal em Nova York, repórter da Ilustrada e trainee. Jornalista pela USP e especialista em curadoria e crítica de arte pela PUC-SP, também é mestre em arquitetura e urbanismo pela USP. Estudou história da arte na Università degli Studi di Genova, na Itália, e se especializou na cobertura do mercado da arte contemporânea no Sotheby’s Institute of Art, em Nova York. Em 2015, venceu a bolsa Knight-Wallace Fellows da Universidade de Michigan, pela qual pesquisou em Detroit o quadro de falência urbanística que arrasou a antiga capital do automóvel. Recebeu o prêmio Antônio Bento da Associação Brasileira de Críticos de Arte por difusão das artes visuais na mídia.

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support
pt_BR