MuBE anuncia Galciani Neves como nova curadora-chefe

Curadora deseja transformar o museu em lugar mais democrático, inclusivo e mais atento às nossas urgências e pautas identitárias

Galciani Neves
Galciani Neves

O MuBE anunciou nesta segunda feira, que contará com Galciani Neves como Curadora-chefe do Museu. Nascida em Fortaleza, com mestrado e doutorado em Comunicação e Semiótica pela PUC-SP, Galciani é professora na FAAP e na Universidade Federal do Ceará. Autora do livro “Exercícios críticos: gestos e procedimentos de invenção”, Galciani Neves será uma das poucas mulheres à frente da área artística de um Museu de grande porte no Brasil. 

Segundo Galciani Neves, olhando para o escopo do MuBE que une arte, arquitetura e meio-ambiente, e as atividades que têm sido desenvolvidas nos últimos quatro anos, encontra-se, muito claramente, um desejo de ocupação e fluxo de pessoas, transparecendo o que diz a frase do trabalho do artista uruguaio Luis Camnitzer: “Todo museu é uma escola”. Para a curadora é importante ainda fortalecer o MuBE como um lugar mais democrático, mais inclusivo, mais atento às nossas urgências e pautas identitárias, aprofundando os laços do Museu com a cidade.

Sob a condução de Cauê Alves, atual Curador-chefe, o MuBE tem passado por um processo de revitalização que começou em 2016 e tem amadurecido desde então. O novo programa de expansão do acervo do MuBE tem como objetivo a formação de uma coleção de projetos de artistas. 

A particularidade dessa nova coleção do Museu, em linha com o século XXI, onde vivemos a valorização e o reconhecimento da importância da ideia, é que em vez de guardar a parte física das obras, o novo acervo é construído de obras imateriais, muitas vezes efêmeras. Assim, a nova coleção de obras-projeto do MuBE é também um arquivo de proposições artísticas. Os projetos são realizados para as exposições e quando elas terminam são desfeitos. O museu armazena registros e documentação para futuras remontagens. Mais do que apenas abrigar obras no sentido tradicional, o MuBE adquire o direito de realizar os projetos dos artistas de acordo com as indicações e instruções catalogadas. O acervo é constituído, então, a partir da digitalização de documentos, armazenados em um banco de dados virtual. 

O MuBE, ao se especializar no entendimento, pesquisa e preservação de obras-projeto, cria um acervo de ideias fundamental para a reflexão sobre o aspecto transitório de projetos em arte contemporânea.