O que as artistas dizem sobre aborto?

Conheça o trabalho de artistas que refletem a realidade do aborto na arte

Frida Kahlo, Hospital Henry Ford, 1932

Nos últimos dias, a decisão dos deputados de colocar, em 23 segundos, o PL 1904/24 em regime de urgência – ou seja, passando direto para a votação em plenário, sem análise de comissão, como é o procedimento habitual – provocou um intenso debate.

Atualmente, o aborto é legal no Brasil apenas em casos de estupro, risco de vida para a gestante ou em caso de malformação fetal. O projeto em questão propõe a condenação da gestante e de qualquer pessoa que a ajude a abortar após 22 semanas de gestação, mesmo em casos de estupro, com pena de seis a vinte anos de prisão.

Uma das maiores críticas ao PL é que a condenação à mulher que abortar pode ser maior do que a de estupradores, sendo que, no Brasil, a cada oito minutos, uma menina ou mulher é estuprada, de acordo com dados do Fórum de Segurança Pública.

Sendo o aborto uma realidade que já marcou a experiência de diversas mulheres do Brasil e do mundo, algumas artistas ousaram expôr e refletir sobre o assunto – que ainda é visto com tanto tabu – em suas obras. Através das lentes da arte, é possível abrir espaço para um diálogo mais empático e informado, reconhecendo as diversas circunstâncias que moldam as decisões reprodutivas das mulheres.

Dentre inúmeras que poderíamos citar, a inconfundível Frida Kahlo se destaca como um das pioneiras a levar esta experiência pessoal para a arte. No Brasil, Aleta Valente é um dos primeiros nomes que vêm a mente por seu famoso trabalho interativo “Marque um X para cada aborto que você já fez”. Também contribuem na discussão Paula Rego, com a série de pinturas e gravuras “Aborto” que teve grande influência na legalização do aborto em Portugal, e Ana Gallardo que trata o tema a partir do material por meio de instalações da série “Material Descartável”. Confira abaixo mais detalhes sobre as artistas e seus trabalhos que tratam o tema de maneira autêntica e marcante:

Frida Kahlo, Frida e o aborto, 1932

Frida Kahlo

A pintora mexicana tratou do aborto com uma cabeça muito a frente de seu tempo. Além dos espontâneos, acredita-se que ela também teria feito um aborto vonluntário por questões de saúde. Na arte, ela abordou o tema de forma nua e crua quando ninguém considerava o assunto digno de ser retratado.

Aleta Valente, Marque um X para cada aborto que você já fez, 2019

Aleta Valente

A artista, também conhecida como Ex-miss febem, é um dos nomes que mais se destacam neste assunto dentro do cenário nacional. Em “Marque um X para cada aborto que você já fez”, ela convida o público à interação e à partilha dessa marca em comum vivida solitariamente.

Paula Rego, Sem título No. 5, da série “Aborto”, 1998

Paula Rego

Em 1998, a artista portuguesa iniciou a série “Aborto” como resposta ao referendo falho que tentava legalizar o aborto em Portugal. Ao retratar a angústia e a solidão das mulheres que enfrentam abortos ilegais e evidenciar os graves riscos dessa proibição, a série foi fundamental para mudar a opinião pública e influenciar a legalização do aborto em um segundo referendo em 2007.

Ana Gallardo, Agulhas, da série “Material descartável”, 2000

Ana Gallardo

A artista de Buenos Aires trata a temática do aborto utilizando materiais cotidianos como agulhas de tricô e talos de salsinha, métodos populares e perigosos para induzir abortos. Por meio dessa escolha de materiais, Gallardo expande a discussão para além das questões de saúde pública, apontando para a violência de classe, econômica, religiosa e estatal que permeia essa prática clandestina.

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support