One Hand Clapping

Guggenheim Museum, Nova York

O Guggenheim Museum de Nova York apresenta “One Hand Clapping” [Uma mão aplaudindo], uma investigação sobre como a globalização afeta o futuro da humanidade. Os artistas reunidos na mostra trazem trabalhos comissionados especialmente para o projeto, desde obras em suportes tradicionais, como pintura a óleo, a peças realizadas por meio de software de realidade virtual. O título é derivado de um enigma Zen budista, ou Koan, usado nas práticas para transcender os limites da lógica racional. “Nós sabemos o som de duas mãos aplaudindo. Mas qual é o som de uma mão aplaudindo?”. A frase, de origem milenar na China, abarca a história dos atravessamentos das traduções e apropriações culturais. O Koan já fui usado como epígrafe de um livro do americano J. D. Salinger, como nome de uma banda britânica, como título de um filme australiano, para citar apenas alguns exemplos. Nesta exposição, “one hand clapping” serve como metáfora para o modo que seu significado é desestabilziado e perdido no mundo globalizado. Evocando uma ideia de solidão, a imagem também nos lembra de como artistas tem a habilidade de apresentar uma visão singular que pode contestar crenças arraigadas, estereótipos e estruturas de poder.

Em suas pinturas, Duan Jianyu celebra as figuras marginais que assombram a zona transitória onde o urbano e o rural, o primitivo e o moderno se encontram. Já o vídeo de animação criado por Wong Ping, guiado pelo humor negro do artista, lida com as tensões entre uma população que está envelhecendo e o ritmo implacável da economia digital. Lin Yilin, por sua vez, realizou simulações em Realidade Virtual para testar o potencial da tecnologia em nos permitir habitar a experiência de outra pessoa – ou mesmo de um objeto, no caso, uma bola de basquete. O filme fantástico da artista Cao Fei examina o impacto físico e psicológico que a automação da indústria tem no corpo humano e na sociedade. E, por fim, Samson Young joga com a nossa obsessão com valores de verdade e autenticidade ao inventar uma série de instrumentos musicais impossíveis, construindo seus sons digitalmente. Juntos, esses trabalhos desafiam o futuro – universal, homogêneo, tecnocrático – determinado pelo crescimento econômico e pelos avanços tecnológicos.

One Hand Clapping
Curadoria: Xiaoyu Weng e Hou Hanru
Visitação: até 20/10/18; segunda a quarta, sexta e domingo, 10h-17h45; sábado, 10h-19h45
Solomon R. Guggenheim Museum: 1071 5th Avenue, Nova York. Ingressos: US$25 (inteira), US$18 (meia)