Os museus parisienses que Emily com certeza visitou e você também não pode perder

Separamos alguns museus de Paris que a personagem cool de Lily Collins com certeza visitaria na Cidade Luz e onde tiraria várias selfies

Uma das queridinhas da vez, a série Emily In Paris, disponível na Netflix, tem chamado a atenção de um público bastante variado. O tom satírico da narrativa que mostra o deslumbramento de uma jovem estadunidense com a cidade luz, mas que também flerta com o drama e o romance, é a bola da vez. Na trama, Emily Cooper ganha a oportunidade de ir trabalhar em uma agência de publicidade em Paris, no lugar da amiga, que não pôde ir, deixando Chicago e toda uma vida, incluindo um namorado de longa data, para trás.

Como não poderia ser diferente em Parrí, a arte está muito presente no desenrolar do seriado, mais explicitamente na visita à exposição digital de Van Gogh no L’Atelier des Lumières ou quando Emily vai à galeria onde a (então) amiga, Camille, trabalha. Outros espaços de arte também aparecem entre as locações, apesar de no roteiro não serem necessariamente espaços de arte, como o Musée des Arts Forains, que é o cenário de uma festa bastante badalada!

Enquanto preparávamos a nova roupagem dos nossos Guias AQA, ficamos pensando quais seriam os espaços de arte parisienses que Emily visitaria. Escolhemos alguns que estão no Guia Paris! E aqui você vai saber o porquê:

O Louvre, claro! O museu mais famoso do mundo não aparece na série, embora exista uma grande problematização em torno dela sobre estereotiparem muito Paris e os parisienses. Apesar disso, o fato de Emily não aparecer no Louvre na série nos mostra que não estereotiparam tanto assim os “forasteiros”, apesar da personagem principal estar bastante apaixonada pela cidade y otras cositas más que existem nela. Mas Emily, a rainha das selfies, não perderia mesmo a chance de tirar uma selfie com a Monalisa! Temos certeza que lá no fundo de seu Instagram existia uma selfie exatamente assim bombando de likes!

Com certeza ela, toda fashionista e adoradora do glamour, não perderia uma visita à Louis Vuitton Fondation! Aliás, em todo episódio, as roupas que ela escolhe para usar estão sempre combinando com alguma bolsa bem estilosa. E a produção e a galera do figurino da série escolheu algumas bem especiais para compor esses looks. Apesar da imensa maioria das bolsas que aparecem serem, na verdade, da Chanel, a imensa loja da Louis Vuitton na Champs Elysees é uma das primeiras imagens logo no início do primeiro episódio da série!

Depois de ter visto a exposição digital e imersiva de Van Gogh no L’Atelier des Lumières, ela foi ter a experiência pura de um Van Gogh originalíssimo perto de si. O melhor lugar em Paris para ver isso? O Musée d’Orsay, claro! Lá, ela pôde ver o famoso Auto-retrato de Vicent Van Gogh, o Quarto de Van Gogh em Arles, a Igreja em Auvers-sur-Ois e outras obras-primas do pintor holandês que viveu períodos significativos de sua vida na França.

Pop, cool e super contemporânea, ela não poderia deixar de ir à instituição de arte que é considerada “a pioneira de um movimento de reconciliação entre a Cidade Luz e a arte contemporânea”: o Palais de Tokyo! Em hipótese alguma a personagem ia perder uma exposição bastante alternativa ali, ainda mais a chance de visitar o edifício suntuoso projetado pelo grupo Jean-Claude Dondel, André Aubert, Paul Viard and Marcel Dastugue

.

Por fim, um dos espaços de arte parisienses que mais pautam a imagem fotográfica – e que a cada ano tem ficado mais popular entre o público jovem -, o Jeu de Paume é um prato cheio para esta amante das selfies. Emily deve ter visto todas as exposições fotográficas que a instituição sediou em 2019 (e deve ter sentido muita falta delas em 2020!). De Peter Hujar a René-Jacques… E, com certeza, Sally Mann, na qual ela deve ter ido acompanhada por Camille!