Pesquisa revela que arte abstrata muda nossa relação com a vida cotidiana

O estilo estimula o cérebro e muda nosso estado de espírito e percepção do mundo

Mark Rothko

Olhar para uma imagem que você não pode descrever precisamente é uma das alegrias de apreciar arte abstrata. Acontece que também é um dos principais benefícios do estilo. Uma nova pesquisa, conduzida pelo Proceedings of the National Academy of Sciences of the United States of America, sugere que a arte abstrata tem qualidades que podem literalmente mudar nossa mentalidade nos ajudando a relevar certas minúcias da vida cotidiana.

Ao longo de três experimentos, cientistas da Universidade de Columbia descobriram que a arte abstrata tende a evocar “distância psicológica”. A distância psicológica é uma forma de representar a distância que eventos ou objetos estão de nós mesmos. Por exemplo, um piquenique acontecendo amanhã está psicologicamente próximo, mas aquele que acontecerá um ano no futuro está psicologicamente distante. A coautora do estudo, Daphna Shohamy, professora associada de psicologia da Universidade de Columbia, diz momentos psicologicamente distantes passam a representar conceitos em vez de detalhes: “O piquenique que acontecerá amanhã será representado por suas características concretas: o que comer, para qual parque ir”, diz ela. “Enquanto o piquenique que acontecerá em um ano será representado por seus recursos mais abstratos: quanta diversão você terá com os amigos ou a sensação de passar um dia no parque.”

László Moholy-Nagy


A arte abstrata nos ajuda a acessar esses sentimentos porque muda nosso estado cognitivo de detalhes concretos para ideias abstratas. “Isso significa que a arte tem um efeito em nosso estado cognitivo geral, que vai além do quanto gostamos dela, para mudar a forma como percebemos os eventos e tomamos decisões”, explica Shohamy para a Inverse. A arte abstrata muda como você pensa. Quando olhamos para uma pintura realista, fica claro (pelo menos à primeira vista) o que estamos realmente vendo: é possível reconhecer formas familiares como humanos, animais e objetos. Mas quando olhamos para a arte abstrata, o cérebro tem menos sinais reconhecíveis para dizer exatamente o que estamos olhando.

Jackson Pollock


Aliás, o rastreamento ocular e as imagens cerebrais indicam que, quando olhamos para a arte abstrata, tendemos a mover nossos olhos de maneira mais “global” ao redor da pintura, em vez de nos concentrarmos em certos objetos.Por exemplo, um estudo de 2011 que analisou os movimentos dos olhos em resposta às pinturas de Jackson Pollock descobriu que as pessoas tendiam a se mover uniformemente por toda a tela. Os autores deste artigo recente chamam esse padrão de olhar universal de “estratégia exploratória”. Essencialmente, estamos procurando um significado nessa pintura. Quanto mais abstrata for uma pintura, mais responsabilidade recai sobre o espectador para atribuir “significado, utilidade e valor”, escrevem os pesquisadores.

Embora trabalhos anteriores nos digam que podemos processar a arte abstrata de maneira diferente, este artigo mostra que a arte abstrata pode nos colocar em um estado de espírito totalmente novo.
A equipe fez com que 840 funcionários do Amazon Turk vissem uma das 21 pinturas diferentes feitas por quatro famosos artistas abstratos: Chuck Close, Clyfford Still, Mark Rothko e Piet Mondrian. As pinturas se enquadram em três categorias gerais:

+Pinturas com um objeto claramente definido
+Pinturas com um objeto mais abstrato, mas ainda definível
+Pinturas puramente abstratas

Farm Near Duivendrecht, de Piet Mondrian

A “Farm Near Duivendrecht” de Piet Mondrian é um exemplo de pintura representacional. A “Still Life with Gingerpot II” também do Mondrian é um pouco mais abstrata, enquanto sua Composition in Blue Gray and Pink é considerada totalmente abstrata no estudo. Os trabalhadores foram convidados a imaginar que eram críticos de arte colocando a pintura em uma exposição. Eles podem optar por exibir a pintura “amanhã” ou “em um ano”. Em seguida, eles podem escolher exibi-lo em uma galeria “na esquina” ou “em outro estado”. Essas medidas de tempo e distância tinham a intenção de evocar a distância psicológica que as pessoas colocam entre elas e a arte abstrata.

Still Life with Gingerpot II, dePiet Mondrian


As pinturas mais abstratas tinham uma probabilidade significativamente maior de serem colocadas em uma abertura de arte em um futuro distante e em uma galeria em outro estado em comparação com a arte representacional. Em tempo: Mesmo depois de controlar o quanto as pessoas gostaram de cada pintura, as relações entre distância e abstração permaneceram significativas.

Blue Gray and Pink, de Piet Mondrian


Portanto, sugerem os autores, a arte abstrata pode nos ajudar a acessar esses sentimentos inefáveis ​​sobre eventos, objetos ou pessoas porque nos coloca em estado de espírito para fazê-lo. A arte abstrata nos força a explorar dentro de nós mesmos, o que pode ser gratificante. Em outras palavras, como autores de um artigo de 2014 na Frontiers in Human Neuroscience , a arte abstrata “liberta nosso cérebro do domínio da realidade”, o que nos permite acessar novos estados emocionais ou cognitivos que, de outra forma, estão ocultos de nós na vida diária. “Este processo é gratificante, pois permite a exploração de territórios internos ainda não descobertos do cérebro do espectador”, continuam os autores.


O estudo não consegue explicar como a abstração nos ajuda a explorar “territórios internos” do cérebro. Mas estabelece as bases ao demonstrar que existem diferenças claras na maneira como o cérebro interpreta a arte abstrata em comparação com a arte representacional e estabelece conexões com a maneira como a arte abstrata muda nosso estado de espírito.
As pesquisas terão que ser aprofundadas, mas por hora Shohamy explica que seu estudo pode fazer mais do que simplesmente nos dizer por que gostamos da abstração: realmente vemos objetos abstratos de maneira diferente e, talvez, ao olhar para esses objetos abstratos, comecemos a ver sentimentos indefiníveis em nossas próprias vidas com clareza. Animada para ir nas próximas exposições e testar a sua percepção de arte e vida?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *