Plataforma BICA estreia exposição com obras apenas em formato GIF

Agenda de maio e junho tem a exposição PULSO e a ocupação ONLINE ONSITE; o espaço virtual propõe ainda web residências e projetos de imersão

Tempo de leitura estimado: 2 minutos

A plataforma digital BICA, que funciona como um espaço para investigação artística, estreou em seu site a exposição PULSO, com curadoria de Leandro Muniz. No ar até 7 de julho, esta é a primeira exposição que é realizada pela plataforma e evoca uma ideia de pulsação, que sugere a vida e a morte das imagens. Desta forma, a mostra é inteiramente composta por obras em formato gif, que causam essa sensação de pulsação e embaralha a noção de começo e final.

Participam da mostra artistas os artistas Lenora de Barros, Wisrah Villefort, João Loureiro, Giovanna Langone, faemyna, Sindy Paloma, Yná Kabe, Rodriguez Olfenza, Flora Leite, Maura Grimaldi, Bruno Alves, Renato Pera + Caio Fazolin, Marina da Silva e George Teles. Em seus trabalhos, estão evidenciados temas diversos, como discussões sobre sexualidade, violência, linguagem e identidade, dentre outros.

Em texto sobre a exposição, a BICA pontua também o fato do GIF ser um formato de alta circulação na web e propõe “testar suas possibilidades estéticas, críticas e políticas”. O curador explica como se deu a seleção dos artistas: “Me interessa pensar como a lógica da repetição ou o uso de materiais e imagens reprodutíveis já estavam presentes nos lambes de Lenora de Barros ou nas esculturas de João Loureiro, encontrando um nexo com o formato gif no interior dessas pesquisas”.

Rafael Segatto, ATÉ O MAR ACABAR COM OS PEIXES

Além da exposição PULSO, a BICA também inaugurou um projeto de ocupação, que entre maio e julho receberá respectivamente obras dos artistas Rafael Segatto, Sol Casal, Luiza Navarro, Simon Fernandes, Bruno Rios, Rafael Adorján, Ana Hupe, Samuel Tomé, Mariana Par, Jonas Arrabal e Mateus Chiatti.

Intitulado ONLINE ONSITE, esse projeto de ocupação hospedará uma obra diferente por semana, realizadas pelos artistas convidados e que partem de uma proposta pensada e/ou adaptada para as mídias digitais, com o intuito de “construir espaços de circulação virtual como alternativa aos lugares de compartilhamento de obras e processos de criação”. A primeira obra, por Rafael Segatto, se chama Até o mar acabar com os peixes, e surge a partir de movimentos de encontros que ele promoveu com outros artistas, como Castiel Vitorino Brasileiro, Débora Flor e Charlene Bicalho, pensando em como “construir caminhos e possibilidades que levam ao mar”.



Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support