Pós-colonialidade permeia obras recentes de Thiago Martins de Melo em mostra na Millan

Em sua primeira exposição como artista representado pela galeria, com curadoria de Gunnar B Kvaran, o artista traz 19 trabalhos inéditos com “grande complexidade em termos de temas e soluções formais” soluções formais”

Tempo de leitura estimado: 2 minutos
Thiago Martins de Melo, Jaguar Marx, 2021. Foto: Bruno Leão

Abre no próximo sábado, 9 de outubro, a primeira exposição do artista maranhense Thiago Martins de Melo na Galeria Millan, intitulada Ouroboros Sucuri. Recentemente trazido para o time de artistas representados da galeria, ele apresenta trabalhos desenvolvidos em momentos mais recentes e que se desenrolam a partir de temáticas que discutem as questões pós-coloniais.

São ao todo 19 obras inéditas que estão incorporadas a esta exposição, com curadoria do islandês Gunnar B. Kvaran, que acompanha a trajetória do artista há mais de uma década. Dentre os trabalhos estão pinturas e esculturas que trazem em suas composições tinta spray, fibra de vidro, ferro, resina de poliéster, monitores de TV, dentre outros materiais diversos. Para o curador, esta mostra coloca luz sobre “um momento no tempo da obra de um artista que se encontra em uma contínua e vigorosa trajetória. Ele abriu e ampliou seus objetos e suas abordagens pictóricas. Somos aqui confrontados com obras de grande complexidade em termos de temas e soluções formais”. 

Thiago Martins de Melo, Ouroboros Sucuri, 2021. Foto: Bruno Leão

Em seu texto curatorial, Kvaran ainda explica que a mostra é dividida em duas partes, sendo a primeira “uma seleção de trabalhos nos quais o artista revisita esse motivo da serpente, que lhe dá o título Ouroboros Sucuri”. Por sua vez, a segunda parte, apresenta “uma constelação de novas obras; esculturas e pinturas que mostram a experimentação em curso do artista no que se refere a novidades formais e narrativas inovadoras, abordando a cultura, o espiritismo, o ocultismo, os mitos e a política dentro de um discurso pós-colonial. Juntos, formam uma construção complexa, em que o espectador passa por diferentes zonas da ficção baseada na realidade. É essa fusão de signos e símbolos, religiosos e espirituais, e referências sociais e políticas da memória coletiva que carregam essas obras com a sua energia singular e que as inserem na grande tradição da pintura histórica”.

Thiago Martins de Melo: Ouroboros sucuri
Curadoria de Gunnar B. Kvaran
Data: de 9 de outubro a 6 de novembro.

Local: Galeria Millan (Rua Fradique Coutinho, 1416- Pinheiros, São Paulo, SP)

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support