Programação cultural questiona o racismo em São Paulo

Em uma ação conjunta entre a órgãos municipais da cidade de São Paulo, está sendo promovido desde o dia 24 de agosto a programação da ação Vozes Contra o Racismo, um projeto que tem a curadoria de profissionais negros que trabalham na Secretaria Municipal de Cultura (SMC): Amarilis Costa, Ligia Rocha, Thamires Cordeiro e Helio Menezes. Ele é uma ação cultural integrada, que busca estimular a sensibilização e o combate ao racismo.

A ação se iniciou com uma intervenção no Monumento às Bandeiras, a iniciativa projetou, com o Coletivo Projetores, obras do artista indígena Denilson Baniwa no concreto da enorme escultura de Victor Brecheret entre os dias 24 e 30 de julho. O monumento é um dos que têm causado questionamentos sobre a retirada de obras de arte públicas que homenageiam figuras contraditórias da História, que estão relacionadas ao genocídio de povos originários e à manutenção da escravidão, por exemplo. Outras projeções desta forma acontecerão em lugares em todas as cinco macrorregiões da cidade

Projeção de obras de Denilson Baniwa no Monumento às Bandeiras.


Além de uma série de intervenções artísticas, que buscam valorizar o trabalho de artistas negros e indígenas, houve o ciclo de debates Diálogos Cultura Presente, webinários que discutiram o racismo por meio de diversos eixos temáticos. Eles podem ser assistidos no canal de Youtube da SMC, clicando aqui.

Até o dia 24 de agosto, mais ações acontecerão pela cidade e também de maneira virtual. Entre 15 e 31 de agosto, por exemplo, a instalação Luz Negra, da artista Monica Ventura, poderá ser vista no Largo da Forca, na Praça da Liberdade.

Tereza de Benguela projetada na Igreja do Rosário dos Homens Pretos da Penha.