Projeto com obras de 23 artistas e fotógrafas arrecada fundos pela vida das mulheres

Ação tem como mote “23 artistas e 1 mês para uma revolução na vida de inúmeras mulheres: Mulheres ajudando mulheres” e é organizada pela Galeria Aymoré e o Milhas Pela Vida das Mulheres

Obra de Maíra Marques

Para ajudar o projeto Milhas Pela Vida das Mulheres, foi lançada pela Galeria Aymoré em parceria com o projeto, e com curadoria de Gabriela Davies, Maíra Marques e Paula Borghi, a ação Arte, substantivo feminino.

São vendidos trabalhos de 23 artistas visuais e fotógrafas brasileiras (de distintas gerações, raças, classes sociais e naturalidades) para que sejam arrecadados fundos para o projeto, que ajuda mulheres brasileiras à acessarem o direito ao aborto legal, dentro do Brasil (em casos previstos em lei, como risco de vida para a mãe, feto anencefálo e estupro) e em países vizinhos, onde as leis são mais amplas. O projeto existe desde 2019 e já colaborou para que 147 mulheres tivessem abortos legais e seguros.

Obra de Lenora de Barros


As obras à venda nesta ação, que tem como mote 23 ARTISTAS E 1 MÊS PARA UMA REVOLUÇÃO NA VIDA DE INÚMERAS MULHERES: Mulheres ajudando mulheres, usando a arte como meio, são das artistas Aleta Valente, Agrade Camíz, Anitta Boa Vida, Anna Costa e Silva, Bia Rritzzz, Caroline Valansi, Débora Bolsoni, Enrica Bernadelli, Fabiana Faleiros, Fernanda Gomes, Juliana dos Santos, Kalor, Kitty Paranaguá, Laura Lima, Lenora de Barros, Lívia Flores, Luciana Whitaker, Maria Antônia Souza, Maíra Marques, Maria Sabato, Moara Brasil Tupinambá, Rosangela Rennó e Val Souza.

As compras podem ser realizadas no site até o dia 30 de dezembro. Todas as obras têm o valor fixo de 200 reais e serão impressas em papel fine-art com pigmentos minerais e no tamanho de até 20×30 cm.

Obra de Laura Lima



“As autoras escolhidas foram reunidas pela temática do seu trabalho, pelo seu posicionamento pessoal e/ou pela sua representatividade e visibilidade que a causa necessita”, diz texto sobre o Arte, substantivo feminino. Segundo as organizadoras, uma rede de mulheres proativas e autossustentável, esta ação garante um fortalecimento “do feminino e feminismo”. e dá voz a uma “importante ação solidária em benefício de todas nós, mulheres”.