Quatro pequenas histórias sobre Donald Judd

Tempo de leitura estimado: 4 minutos

.

Formado em filosofia e desenvolvendo pesquisas em história da arte, Donald Judd trabalhava como crítico para revistas especializadas para se sustentar, desenvolvendo pensamentos teóricos sobre a produção típica dos Estados Unidos nas décadas de 1960 e 70. Contudo, em paralelo, sempre produziu como artista: sua carreira teve início na pintura nos anos 40, como muitos de seus pares; logo, passou a explorar a gravura, suporte cuja materialidade lhe interessava, e abandonando a figuração por completo; em seguida, passou para a lógica da tridimensionalidade, explorando as possibilidades de volumes no espaço por meio de acúmulos, empilhamentos, espelhamentos e seriações. Em 1962, criou seu primeiro trabalho tridimensional, de madeira, masonita e um tubo de asfalto. A partir de 1963 passou a empregar materiais específicos que marcaram o restante de sua trajetória, como o aço inox, o acrílico e o concreto – todos industriais.

To Susan Buckwalter, 1964

.

Em 1965, escreveu o ensaio-manifesto que pode ser considerado inaugural para o Minimalismo no país, intitulado “Specific Objects”. O título vem da expressão que o artista usava para descrever seus próprios trabalhos, já que desafiavam as categorias e definições existentes. No texto, Judd aponta para as tendências daquele momento na arte, em que o melhor da produção visual não se encontrava nos meios tradicionais da pintura e da escultura. No entanto, ainda não antecipava que o minimalismo se constituiria como um movimento, já que os trabalhos que analisava não inspiravam a ideia de haver um denominador comum para definir-se um estilo ou uma escola. O ponto comum residia, de acordo com o artista, na tridimensionalidade – toda tridimensionalidade que não fosse escultura. Essa conceituação meio frouxa, muito ampla, contribuiu para que o minimalismo se espalhasse e tomasse muitas formas, muitos corpos. Esse ensaio também vem no ensejo de suas obras seminais, os primeiros empilhamentos de caixas afixadas na parede.

Untitled, 1967

.

Em 1968, Judd comprou um edifício construído de ferro fundido na área sul de Manhattan, em Nova York. O arquiteto Nicolas Whyte ergueu o projeto em 1870, e suas outras obras feitas do mesmo material existem apenas aqui no Brasil, coincidentemente. Originalmente o local devia ter abrigado alguma indústria ou fábrica com loja, mas o distrito na década de 1960 já estava bastante degradado, e o valor de compra foi irrisório para Judd. Ali se consolidou um centro de gravidade para o artista, onde ele estabeleceu seu ateliê, instalou obras de amigos, reformou e alugou estúdios para outros criativos, abrigou sua própria coleção, etc. Este é considerado o lugar onde ele desenvolveu o conceito de instalação permanente, a partir da ideia de que o contexto da obra é tão central para sua compreensão quanto o trabalho em si. E uma curiosidade: Yayoi Kusama foi vizinha de Judd – a japonesa, logo depois de chegar em Nova York, alugou um ateliê neste edifício por alguns anos!

Judd Foundation, 101 Spring Street, NY

.

Já em 1971, Judd começou seu ambicioso projeto na pequena e remota cidade de Marfa, no Texas, onde viria a desenvolver um grande centro cultural para abrigar suas instalações permanentes – e onde passou também a reformar e construir pavilhões para receber obras de outros artistas. Judd havia servido no exército americano por alguns anos, e sua ligação com o lugar vinha desse período, inclusive marcada em um telegrama enviado à sua mãe em 1946. Em 71 alugou uma casa e depois um galpão para guardar obras grandes. Em 72, passou o verão na cidade com a família e logo em 73 comprou definitivamente os hangares de aviões da Primeira Guerra Mundial que haviam sido construídos nos limites da cidade e transferidos para o centro nos anos 1930 – os galpões chegaram a ser parcialmente usados como prisão para os alemães capturados na Guerra. Por fim, em 1974, Judd arrematou o restante do complexo, dando início a importantes reformas para viabilizar sua visão. Judd instalou trabalhos dentro e fora dos hangares, incluindo peças gigantescas no meio do deserto. Desde então, o local virou uma espécie de Meca para apaixonados por arte, um dos destinos mais cobiçados por artistas, colecionadores e curadores de todo o mundo!


Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support