Quem foi Barrington Watson?

Tempo de leitura estimado: 4 minutos
Barrington Watson

Semana passada comemoramos o Dia da Mulher Negra latino-americana e caribenha, mas a forma como as mulheres negras são retratadas (ou não) na arte é um assunto inesgotável. Um dos homens mais conhecidos por representá-las é o artista jamaicano Barrington Watson. Adepto ao realismo social, ele “feminizou” as massas e descreveu as falhas e vitalidades da Jamaica pós-independência.

O artista nasceu no dia 9 de janeiro de 1931. Aos 27 anos, foi para Londres estudar sobre arte européia e voltou para seu país em 1961 – um ano antes do país conquistar independência dos ingleses. Com a independência iminente, havia um otimismo geral no ar e, como Watson lembra, “a ilha literalmente enlouqueceu” e ele próprio estava determinado a contribuir para o desenvolvimento de seu país de origem. No contexto desses sentimentos nacionalistas, Watson expandiu o escopo de seus retratos populares e pinturas de gênero para as históricas.

Morant Bay Rebellion
Barrington Watson

Pinturas como Morant Bay Rebellion e The Hanging of George William Gordon, por exemplo,  capturam o sendo do momento.  As pinturas históricas de Watson, portanto, devem ser vistas no contexto do processo pós-independência de criação de novos símbolos de identidade nacional que incluíam um hino nacional, um brasão de armas, etc. Além disso, a Jamaica criou um panteão de heróis nacionais: Marcus Garvey, Paul Bogle, George William Gordon, Alexander Bustamante, Norman Manley, Sam Sharpe – todos eles tiveram um papel importante liderando a Jamaica escravocrata e colonial ao movimento nacionalista e à independência. E todos ele aparecem nas cenas históricas ou retratos criados por Watson. 

Barrington Watson
Barrington Watson

Mas Watson não pintava apenas heróis masculinos. Muito pelo contrário: ele sempre deu atenção especial às mulheres jamaicans ao elaborar suas telas, onde elas expressam o trabalho doméstico. Em muitos momentos estas mulheres ( sem nomes!) são representadas em momentos íntimos ou de silêncios, no breve descanso da labuta. É o caso de Conversas que esteve presente na mostra História Afro-Atlânticas. Estas figuras, durante muito tempo, foram símbolo do cânone pós-colonial do Caribe. 

Barrington Watson
Barrington Watson

A figura dessas mulheres, no entanto, contrasta fortemente com os retratos do artista de figuras individuais, negras e masculinas da história de luta jamaicana. Tiana Reid alerta que o culto à heroína da massa atrapalha uma luta maior. Em texto escrito para a Frieze Magazine, contesta: “Entre esses dois nós diferentes da prática de Watson, surge uma tentativa pública internacional de conter as mulheres do país, conter as massas e transformá-las em membros de uma sociedade democrática liberal – que nunca se materializou”. E completa “Não importa o quão belamente Watson retrate essas mulheres jamaicanas – não importa quanta gratidão lhes seja dada por seus trabalhos em projetos de construção da nação pós-independência, em forjar relações sociais de apoio, em promover os ‘valores’ da revolução – a libertação e a insurgência não contraria totalmente a violência de gênero”.

A intelectual ressalta que as mulheres negras carregam o fardo da racialização, sexualização e nacionalização por serem efetivamente e teoricamente excluídas dessas categorias (negras, mulheres, cidadãs). “Revisitando Mother and Child de Watson, eu me preocupo com as promessas do lar e da família, enquanto vivo suas falhas e tento recusá-las”. Vivemos em tempo de revisão da história

Barrington Watson
Barrington Watson
Barrington Watson
Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support