Quem foi Dan Graham?

Conheça a obra do artista norte-americano morto neste mês, aos 79 anos, famoso por suas instalações arquitetônicas

Tempo de leitura estimado: 3 minutos

Dan Graham declarou certa vez que sua paixão nunca foi a arte. “Sempre foi a arquitetura, o turismo, o rock, e a crítica de rock”. Mas, aparentemente, a recíproca não era verdadeira: o mundo da arte tinha paixão por ele e foi por meio dele que Graham foi reconhecido. O artista, morto no último dia 19 de fevereiro em Nova York, expôs em quatro edições da Documenta e em três da Bienal de Veneza (sem contar a Bienal de Arquitetura de Veneza, aparição rara para alguém das artes visuais). Além disso, suas obras estão em instituições tradicionais como MoMA, Whitney Museum e Tate Gallery.

Dan Graham por Sebastian Kim, 2017; cortesia Lisson Gallery

No Brasil, onde é representado pela galeria Nara Roesler, seu trabalho pode ser visto em Inhotim. No museu mineiro, está em exposição permanente a obra Bisected Triangle, Interior Curve (2002), que faz parte da série Pavilion, realizada pelo artista desde o final da década de 1970. Tratam-se de instalações que remetem a estruturas fartamente presentes em megalópoles, como prédios de vidro espelhado, pontos de ônibus e portas giratórias na entrada de estabelecimentos, e que investigam a relação entre o ambiente arquitetônico e o seu entorno no contexto da cultura de massas — grande tema de sua obra.

Play Pen for Play Pals, 2018, Dan Graham; cortesia Lisson Gallery
Play Pen for Play Pals, 2018, Dan Graham; cortesia Lisson Gallery

Para o artista, era importante que os espectadores fossem implicados em seus trabalhos. “Formas geométricas inabitadas e ativadas pela presença do observador, produzindo uma noção de inquietação e alienação psicológica por meio de um jogo constante entre inclusão e exclusão”, declarou

Os vidros confundem o entendimento sobre o que está dentro e o que está fora e os limites do espaço. São instrumentos de reflexão visual e cognitiva. Quando a obra está num espaço aberto, como é o caso de Inhotim, a desorientação é maior ainda em função das mudanças de luz ao longo do dia. Em sentido metafórico, as instalações têm relação com a vigilância a que estamos submetidos nos grandes centros urbanos, já que os vidros deixam ver, mas não deixam ser vistos e também remetem a noção de voyeurismo.

Groovy Spiral, 2013, Dan Graham; cortesia Lisson Gallery
Groovy Spiral, 2013, Dan Graham; cortesia Lisson Gallery

Em 1964, ele fundou a John Daniels Gallery. A empreitada não foi bem sucedida, mas foi onde pode entrar em contato com os artistas emergentes de sua geração, como Sol LeWitt. A partir daí, começou a desenvolver suas propostas, mesclando prática curatorial e crítica a diferentes linguagens: instalação, escultura, performance, fotografia e vídeo.

Homes for America, Arts Magazine, 1966-67, Dan Graham; cortesia Lisson Gallery
Homes for America, Arts Magazine, 1966-67, Dan Graham; cortesia Lisson Gallery

Em Homes for America (1966), publicado na revista ArtsMagazine, ele documenta (com fotos e texto) o desenvolvimento dos subúrbios de Nova Jersey (EUA), onde cresceu. Nos anos 1960, publicou artigos e críticas sobre rock e cultura televisiva, uma rejeição aos limites da galeria de arte no formato “cubo branco” e uma forma de incorporar a onipresença e a natureza descartável dos periódicos mensais. 

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support