Sé Galeria apresenta a primeira exposição individual da artista Tadáskía

Com curadoria de Clarissa Diniz, a exposição ‘noite dia’ é fruto da primeira viagem ao exterior feita pela artista

Tempo de leitura estimado: 3 minutos
Tadáskía
Obra à tarde, 2022 | Na Sé Galeria

Com o suporte da Sé, Tadáskía participou, no início do ano, da residência Homesession, em Barcelona, onde começou a experimentar com spray em tecido, resultando em obras localizadas no entremeio do desenho e da pintura. O deslocamento também permitiu à ela uma mudança de percepção em relação ao próprio trabalho. “Em um lugar é dia, enquanto em outro é noite. As coisas mudam dependendo do lugar, a imaginação muda”, pondera. “Conforme onde estamos, pode existir transformação na forma, na cor, na linha.” Nos novos trabalhos, há um aspecto relacionado ao acabamento e à noção de finalização, uma relação incisiva com o tempo.  “As coisas não acontecem de uma hora para outra, mesmo que para as pessoas pareça acontecer”, explica. “Elas podem apenas imaginar o que ocorre no meio, no ínterim, e não têm como saber o final daquilo que se coloca como uma passagem.” 

Foto de Tadáskía em ateliê por Lydia Metral

Sua produção pode ser agrupada no que a curadora Clarissa Diniz chamou de “famílias”, conjuntos de obras com características semelhantes, mas que diferem no ritmo da “animação”, a movimentação de um grupo para outro, em que se relacionam o diferente e o parecido. À artista interessa apresentar a ânima das coisas, em procedimento situado entre a figuração e a abstração.  Outro conceito chave para entendermos sua obra é o de “aparição”, palavra escolhida por ela para tratar de sua produção fotográfica. A aparição acontece quando a artista ou os grupos com ela reunidos estão diante da câmera analógica. É o ato de revelar, em que a imagem pode ou não sair como planejada. Há aqui um elemento de indeterminação. 

noite dia apresenta a ampla prática poética da artista, reunindo uma série de obras recentes – algumas inéditas – em diversos formatos, incluindo desenho, pintura, fotografia, escultura e vídeo, além de uma pintura a óleo feita, sem esboço, diretamente sobre as paredes da galeria. 

Montagem da obra à tarde, 2022

A cor tem papel preponderante no trabalho da artista que parte de diversas referências. No filme Ayé (2020) – palavra da cosmogonia iorubá entendida como mundo – o desenho salta do papel para o corpo e para o chão da casa. Vestindo estrelas (2019) traz mãe e filha em um registro fotográfico inspirado no Quarto de despejo, da escritora Carolina Maria de Jesus. As esculturas arranjo (2019-2022) reestruturam peças feitas com palha de taboa, comumente usada em rituais afro-brasileiros. Em Linha dourada (2012-2022), as cascas de ovo costuradas com linha indagam sobre a impermanência, afinal são corpos orgânicos que, com o tempo, irão se transformar ou desaparecer. Outro destaque é a aparição Olha o passarinho (2020), em que a família da artista posa para um retrato com os olhos revirados para cima. 

“Olha o passarinho!” com minha tia Gracilene Guarani, minha mãe Elenice Guarani, meu pai Aguinaldo Morais, meus primos Breno Moraes e Lucas Moraes e meus amigos Aline Besouro e Lorran Dias, 2020

Visitação: até 11 de junho
Funcionamento: de terça a sexta, das 12h às 19h e aos sábados, das 10h às 17h
Local: Sé Galeria
Endereço: R. Alameda Lorena, 1257 – Casa 2 – Jardins, São Paulo – SP
Ingresso: Grátis

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support
pt_BR