Com a divulgação dos primeiros representantes dos pavilhões nacionais na Bienal de Veneza, o British Council realizou ontem, 12/2, um feito histórico. O órgão revelou em nota oficial que a artista Sonia Boyce será o destaque do pavilhão da Grã-Bretanha na edição de 2021 da Biennale. O BC vem dando destaque a artistas mulheres desde sua edição de 2015 – quando Sarah Lucas foi a artista convidada. Em 2017 foi a vez de Phyllida Barlow e, em 2019, de Cathy Wilkes. Boyce será a primeira mulher negra a representar o país no evento, e apenas a terceira pessoa negra a fazê-lo depois de Chris Ofili e Steve McQueen.

Missionary Position II 1985 Sonia Boyce born 1962 Purchased 1987 http://www.tate.org.uk/art/work/T05020

“Você poderia ter me derrubado com uma pena quando recebi o telefonema para me dizer que fui escolhido para representar a Grã-Bretanha na Bienal de Veneza 2021 – foi como um raio do nada”, disse Boyce em comunicado. “Obviamente, estou extremamente honrada, animada e nervosa. Estou ansiosa para começar esta jornada criativa, explorando a experiência com outras pessoas que concordam em trabalhar comigo ao longo do caminho”.

Desde os anos 1980, Boyce começou a fazer retratos delicados de pessoas negras, com um foco particular nas mulheres, em resposta a uma das ondas de racismo que varreu o Reino Unido nas últimas décadas. Seus desenhos, pinturas e fotografias se concentraram no que significa ser negro em uma sociedade patriarcal e dominantemente branca, às vezes aludindo à sua herança afro-caribenha.

Emma Dexter, diretora de artes visuais do Conselho Britânico e comissária do pavilhão, disse em um comunicado: “O trabalho de Boyce levanta questões importantes sobre a natureza da criatividade, questionando quem faz arte, como as idéias são formadas e a natureza da autoria. Em um momento tão crucial na história do Reino Unido, o Comitê escolheu uma artista cujo trabalho incorpora inclusão, generosidade, experimentação e a importância de trabalharmos juntos”.

 

Compartilhar